sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Meus Poemas em Búlgaro


 
 
Poetas Brasileiros em Búlgaro:
                             Dimas Macedo e Francisco Carvalho 
                            Tradução: Rumem Stayonov                                               
             
Димаш Маседо
(Dimas Macedo)
Бразилия
 

ЕЛЕГИЯ
 
Помня баща ми
да пасе звезди
и самоти
в следобеди протяжни,
и майка ми
в сянката на пруста
с очи към водостока.
 
Помня баща ми
смълчан
в часовете на агония
и майка ми
тъчаща алегории
на стадото си
от болки и печал.
 
Помня баща ми
и майка ми
как изработваха
броеницата си от грижи.

 
 КОЛЕДА
 
 Коледните камбани
са кристални
Божии свидетелства
и добро те сторват.
 
Коледните камбани
на витлеемските звънарни
светла утреня отмерват
за Младенеца.

 Коледните камбани
сливат 
бронзове божествени
и правят химни на любовта
към Свещения Граал.

В коледните камбани
съзрява детството ми 
и в златните езици техни
влагам моята молитва.

 Слушам Иисус да говори
в партитурите им.
Тъка писания от светлина
за нотите
на витлеемските камбани.
 
 
ЛАВРАШ

 Далеч от тукашната гмеж,
там посред нещата,
проснат към всемира,
Лавраш, понеже съществува,
е най-красив град в света,
защото всяка улица
ражда един спомен
и той в мене, в тялото ми свършва.
 
 
БИСТРОТА

Нека слезе върху мен нощта
и в мен да обитава вятърът,
обновяващ камъните на словоизказа.

 Нека върху мене дойде
повеят на паметта
и тайнството на звездите
и всичко друго, което мога аз да понеса.

 Нека върху мен валят
мечовете на потопа.
Нека падат върху мене тъмнини.
Аз съм бистрота разпръсната
в подиробеди с любов и богослужба.
 
 
ФЛЕШЕЙРАШ

Цветя може би
в покоя небосводен.
Ветрове и платна
танцуват из простора.
 
Божии гласове
записани в безмълвието.
Пясъчни рози
скитат в нашите ръце.
 
Повече от повече
животът е вихрушка,
отминаващи вълни,
идващи слова.

Камбани морски
отзвъняват напеви.
Многобагрие
от летни светлини.
 

САНДАЛОВ ЛЪХ

 Ако бях жена 
-  с каква лекота  - 
с моите зъби
щях да обичам един мъж.

Щях да съм му канара,
не съмнение.
Щях само да съм му
котва.

 Ако бях жена
нямаше да искам
тия причудливи ръкавици
на привидността.
Щях да лягам гола с моя мъж.
И да слушам музика върху гръдта му.
 
На флейта щях да свиря по неговите устни.
Щях цяла да му се отдам 
и да разтворя вратата на тялото ми

и да умра
от зряла обич
ако сандаловият лъх на моя мъж
не ме обмиваше с любов
всеки ден.

 
Франсишко Карвальо
(Francisco Carvalho)
Бразилия
 
 
ОБУЩА

 В тъмен ъгъл на стаята
смачкани обуща
покрити с прах и старешка
плащаница от паяжини.
Виждам следи от кръв,
оставили са ги разнопосочни ходения
из мечтата и любовта.
Стоят там и мене чакат
сякаш ладия, която своите гребла приготвя
да отплава към смъртта.

 
ДИАЛЕКТИКА НА СТИХОТВОРЕНИЕТО

Да направиш стихотворение
не е да кажеш дълбоки неща.
А да видиш нещата каквито не са.
 
Да направиш стихотворение не е да пътуваш в огледало.
А да търсиш човешки лик
изгубен в мрака.

 Да слезеш до корените на кръвта и на мита.
Да направиш стихотворение значи да си в разпра
с пръстите на ръката си.

 
ПОСЕТИТЕЛ

Не вятър хлопа на вратата
ни дъждът, ни изгубената птица
ни просяк изгонен от нощта
ни събирач на отпадъци, ни раздавач
ни продавач на клетки, ни укротител
на светкавици, ни правяч на кораби
ни студуващи
ни котки с гледци живачни
ни точилар на кинжали
ни продавач на великденски яйца
ни писач на мръснишки мадригали
по стените, ни умоляващ за трохи
от хляб и от небъдности, ни отишлият блудница
да погребе, ни задигналият
цветя от бдението, ни дошлият от владенията
на морето. По вратата хлопа
и впива във лицето ни погледа си на лешояд
бирникът.

 
НОКТЮРНО ЗА КЪЩЯТА
 
 Духа вятърът
връз покривите на къщята.
Безсънието на кукумявките
разсича и разкъсва плащаници.

 Спят езерата. Жаби
от времената на потопа
пеят към звездите.
Напев яростен

 за боговете на блатото.
Зениците на водата
са очите на умрелите.
Потокът свири с флейта.
 
 Корабът на нощта напредва
и далечните септември.
Време да закотвим.
Погрижете се за вашите гребла.

 
ГЛОБАЛИЗИРАНА КОЛЕДА

Вече никой не говори за звездата на пастира
нито за тримата влъхви
и камилите им натоварени с благовония
и злато.

 По улици и фавели на големите метрополии
в зле осветени покрайнини
из вонливи подмостия
старци и кльощави деца никога не са чували
да се говори за влъхвите и камилите с товари злато.

 В къщите на високата буржоазия тече обилно вино,
одумки и шампанско. Върхушките
преяждат с целувки и гозби
безразлични към духа на Коледата.

 По димящи подноси
беззащитни пуйки чакат мига,
в който ще бъдат изтърбушени от потомци
на някогашни людоеди.
Богу слава на висините
докато човеците с добра воля мамят
в играта с карти и с живота.

 
СИМЕТРИЯ НА ХАОСА

Живее се малко и зле
върви се безпосочно из приливите на живота
яде се кога останат излишни числа в статистиките
на бюрократи
смесва се лош навик с лош дъх
обича се виком и бързешката
губи се коса преди памет
въпие се напразно за балсама на правдата
вика се и никой не отговаря
сменя се кодът и монологът
предъвква се глас, отзвуци от гнило месо
хваща се крадецът, но крадецът
връща се точен на другия ден
отрича се тялото, душата и дадените обещания
повръща се омраза посред вечеря
лъже се все повече по служебно задължение
умира се по гръб и от смърт внезапна
или се умира от глад в обятията на Републиката.

 

  
 
    
                                         

A Arte de Mano Alencar

            Dimas Macedo

    
                                                           
          No seu tratado sobre a doutrina das cores, Goethe mostra-nos o quanto é ilusório pensar que as cores existem para além do ponto de vista do sujeito. Por outro lado, a partir da estética de Hegel, ganhou notoriedade o fato de que a beleza, tanto da arte quanto da vida, passa, necessariamente, pelo crivo da nossa visão interior.

         As cores são polares, isto é, transmutam-se umas nas outras e reinam umas sobre as outras dependendo da ótica com a qual observamos a policromia das artes ou da natureza, com o passar do tempo.

        Vivemos um momento em que o branco e o preto passaram a ganhar uma austeridade toda especial, assumindo o seu lugar no banco de reserva das cores. Dizemos que o mundo ficou mais colorido, simplesmente porque o preto e o branco deixaram de ser as cores que predominam no tecido social histórico pós-moderno, mas não nos arriscamos a dizer que isto acontece porque o branco e o preto saíram de circulação exatamente para matizar as camadas de luz que devem orientar o déficit de atenção em que vivemos.

         Como artista genial que é, Mano Alencar sabe, muito bem, que a confirmação de uma tendência multicolorida pode levar a um desvio, mas que um desvio não é, necessariamente, a confirmação de uma nova tendência.

      Se o branco representa a junção de todas as cores existentes, o preto, a seu turno, constitui a sua negação, de forma que no preto e no branco estão todas as cores que podemos imaginar.

      Na sua série de arranjos artísticos com que empreende uma viagem pelo branco e o preto, Mano realiza o seu percurso criativo não a partir de uma ilusória, mas a partir da imaginação e da lembrança.

      O preto e o branco não se expressam como uma nova fase da obra de Mano Alencar, mas como uma série. Parece-me induvidoso que ele quis mostrar o quanto a cegueira, com relação ao preto e ao branco, é um desvio que precisa ser retomado; e o quanto um artista de talento é livre para inovar, pesquisar ou simplesmente sugerir.

        Essa série nova na obra do artista plástico Mano Alencar, leva-nos a pensar na sua dimensão de músico e de poeta das cores, a oscilar entre o cânon e a fuga das suas partituras criativas.

     Mano Alencar é um artista sensível e, acima de tudo, inquieto e indisciplinado. A sua indisciplina faz-se, fundamentalmente, contra a gramática do mundo, cada vez mais caótica e repleta de chavões e de linguagens ditadas pelo capital e por todas as formas de perversão que ele representa.

     Estou que Mano Alencar atingiu, definitivamente, o seu pedestal e a sua condição de clássico, sem perder o gosto pela lírica e a estética, especialmente pela estética do branco, que contém o preto, onde todas as cores estão refletidas.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Um Poeta de Cabo Verde

                   Dimas Macedo
                                                        


                 Filinto Elísio Correia é um dos bons poetas de Cabo Verde, na atualidade. Agente político bastante atencioso, durante algum tempo escolheu Fortaleza como lócus privilegiado da sua pesquisa de campo, e o Mestrado em Administração da Unifor como o nicho acadêmico dos seus estudos de pós-graduação.

              Trata-se de escritor e de artista que sabe ver e sentir com o coração, pois sabe perceber, também, as relações sociais com os quais dialoga e as coisas da política que se tecem entre Cabo Verde e o Brasil.

              Filinto não é um poeta de linguagem tradicional, nem um escritor de estilo burguês que escreve para agradar à elite política de plantão. Na sua escritura, de plano, podemos divisar um poeta na melhor acepção da palavra; e um poeta que sabe colocar os sentidos da vida em rotação.

             As estruturas e os desvios da língua estão, em Filinto Elísio, como em poucos escritores que conheço, mas a estética é o lugar da linguagem (ou o lugar do discurso) para onde converge a sua ação textual.

             Do Lado de Cá da Rosa (Mindelo, Instituto Cabo-verdiano do Livro e do Disco, 1995), O Inferno do Riso (Praia, Instituto da Biblioteca Nacional, 2001) e Das Hesperides (Praia, Universal Frontier, 2005) são alguns dos seus livros de poemas, este último lançado na Bienal do Livro do Ceará, em agosto de 2006.

             Tem sido intensa a sua produção de jornalista e, indiscutivelmente, muito proveitosa a sua verve de cronista e de ficcionista. Seu romance – Outros Sais na Beira Mar (Lisboa, Letras Várias, 2009) – constitui um março da sua criação e da literatura que dialogar com as exigências da modernidade.

             Esse romance, segundo o autor, seria uma espécie de puzzle, onde várias formas de escrita se fundem e se renovam qual um jogo de luzes que se cruzam em busca de uma sinfonia plena de imagens fortes.

             Porém aqui não pretendo comentar o conteúdo desse livro, ainda porque a substância desse livro é a sua forma, aí se destacando a sua dimensão de poeta e de arquiteto da linguagem que elegeu a criação artística como vocação. 

              Releio, com atenção, os poemas reunidos no seu livro – Das Frutas Serenadas (Praia, Instituto Nacional do Livro, 2007) – e neles vejo um passo decisivo na sua trajetória de poeta. Não se trata do coroamento da sua produção de escritor, mas do momento em que a sua linguagem adquire um refinamento estético com que muito há de lucrar a literatura de sua geração. 

               No livro, a linguagem literária dialoga abertamente com a linguagem fotográfica, provocando efeitos cinéticos (e sinérgicos) da mais alta valia. Esse diálogo multicultural é um dos grandes achados desse livro, porque o outro, o maior de todos, decorre das imagens fortes e dos recortes semânticos com que o autor imanta seus poemas.

                Esse recurso já era forte – muito forte mesmo – nas páginas do seu livro anterior, no qual as imagens fotográficas de várias procedências se ampliam em relação à linguagem minimalista e fragmentária de Filinto Elísio.

                Nesse livro perdidamente visual e cênico de Filinto Elísio, o efeito espacial e a composição textual aí subjacente se fazem no sentido da ampliação do discurso literário,  constatando-se aí, sem maiores esforços, excelente expressão poemática. 

              Menos inferno, é claro, para o riso de Filinto Elísio e melhor expansão dos seus recursos literários. Maior claridade e contextura e um mais ampliado campo de visão. 

                Esse retorno de Filinto às suas primeiras formas de pesquisa aproxima o poeta do seu universo simbólico cristalizado em O Inferno do Riso, mas aqui as maneiras de encarar o mundo são outras. É outra a projeção do seu imaginário. E múltiplos aqui, também, a sua abstração e as suas linhas de pesquisa.

                  Das Frutas Serenadas é um livro que nos conduz à existência de um poeta maior, plural nas suas intenções, pleno na sua maturidade e no domínio dos seus recursos expressionais.

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Roteiro de Roberto Amaral

           Dimas Macedo
                                                
            Roberto Amaral pertence à elite dos grandes pensadores do Brasil. Cientista do Direito e do Estado, arauto do socialismo e da democracia e militante político de esquerda, que conhece o papel do intelectual e as suas relações diante das coisas do poder, é orgulho máximo do Ceará que se espraia por aí afora.

           No meu livro El Pensamiento Politico de Paulo Bonavides, lançado em fevereiro de 2010, na Universidade de Puebla, deixei registrado que “Roberto Amaral, desde cedo, tracejou os caminhos da sua formação no campo da esquerda e da militância política democrática. Se Paulo Bonavides abraçou o Direito Constitucional e a Ciência Política, Roberto Amaral se fez um militante político aguerrido, um líder socialista respeitado e um jurista e pensador do Estado dos maiores que o Brasil produziu no século precedente”.

           Conheço Roberto Amaral desde 1989, quando nos encontramos, pela primeira vez, e ele demonstrou o empenho com que leu o meu livro A Metáfora do Sol, e de como estava consciente da minha participação e do meu desejo em construir no Ceará a afirmação de uma ideologia de esquerda de viés democrático e participativo.

           Referência histórica do PSB do Ceará, Amaral era o guru de todos e de cada um de nós, especialmente meu e de Sérgio Novaes, de Régis Jucá e de Walton Miranda, ponderando sempre a necessidade de nunca perdermos a estratégia, a discussão e o diálogo com os demais partidos de esquerda.

            Quando Ministro da Ciência e Tecnologia, lançou um dos seus livros no Ceará, e eu fui escolhido para fazer a apresentação. Outros livros de sua autoria foram editados nesse período riquíssimo da sua produção, entre os quais destaco: O Papel do Intelectual na Política (2005) e Ciência e Tecnologia a Serviço do Progresso e da Inclusão Social (2003), provando-nos, assim, Roberto Amaral, que o debate e a discussão do militante político devem sempre ocorrer, necessariamente à esquerda e à margem da máquina do Estado, especialmente porque o Governo nunca se deve confundir com o Partido, e porque o Estado é bastante diferente do Governo que o concretiza.

              Hoje Roberto Amaral volta ao Ceará, para receber a comenda máxima do mérito parlamentar cearense e para o lançamento de dois novos livros, frutos da sua pena de cientista e de esteta, de pensador das coisas da política e de intelectual que se perfaz pela riqueza dos seus conhecimentos.

               Original a sua abordagem no primeiro dos livros referidos: Ciência, Tecnologia e Soberania Nacional (Brasília, Gráfica do Senado Federal, 2010), porque em suas páginas Roberto Amaral aborda a questão da ciência e tecnologia, e a sua correlação com o projeto nacional, à margem das imposições do imperialismo e do capitalismo, esclarecendo-nos: a) que a globalização não determinou o fim das fronteiras geográficas; b) que a democracia não se coaduna com o monopólio do mercado; c) que a competitividade não se confunde com a abertura econômica unilateral; d) e que a defesa da paz não implica no desmonte da segurança nacional, nem na renúncia da soberania e da autodeterminação.

             Socialismo & Democracia (Brasília, Fundação João Mangabeira, 2011) constitui o título do segundo livro de Roberto Amaral. Trata-se de um dos seus grandes testamentos, porque se agiganta e se eleva entre os seus maiores livros editados, tais os clássicos: Introdução ao Estudo do Estado e do Direito (1990), Crônica dos Anos Geisel (1987), Intervencionismo e Autoritarismo no Brasil (1975) e o romance Não Há Noite Tão Longa (1996), um dos marcos da literatura brasileira da sua geração.

             A temática de Socialismo & Democracia é plural e diversificada, mas, na essência, o livro constitui uma reflexão e um argumento filosófico de monta sobre o destino da democracia e da sua práxis, em vista à concretização da sua pragmática, face ao triunfo do consenso que o neoliberalismo impôs ao despreparo da esquerda e à sua falta de visão cultural e hegemônica.

             A tomada do poder, antes da conquista da hegemonia, deslumbrou no Brasil os partidos de esquerda e o consenso reformista da sua pontuação programática, levando um governo de viés populista, durante quase uma década, a seguir as imposições do mercado e a tratar o parlamento, não pelas vias da negociação, em vista as demandas sociais, mas em face, sobretudo, dos interesses neoliberais.

           A esquerda, portanto, defendendo bandeiras que nunca foram suas, tais como o moralismo, o combate à inflação e a busca da estabilidade monetária, para assegurar a tranquilidade do sistema financeiro e deixar o mercado plenamente feliz e satisfeito.

          Para Roberto Amaral, “a democracia representativa, de índole ocidental, mais e mais se configura como uma farsa, defraudando a soberania popular, em face do crescente deslocamento dos centros de poder (e de decisão) do Estado para a grande empresa, nacional e internacional”.

           O que está em jogo, especialmente nos países de pouca densidade educacional e de quase nenhuma consciência política ou partidária, como é o caso do Brasil, é a substituição da política pela ditadura do mercado, de forma que as privatizações largamente combatidas, mas utilizadas pelos partidos de esquerda, expressam a falência da esquerda ideológica e propositiva e também da esquerda partidária.

             Igualmente para Roberto Amaral, a saída do impasse seria aparentemente simples, consistindo na retomada das raízes históricas da esquerda, e na assimilação do seu papel transformador, e tendo como meta, especialmente no Brasil, a construção coletiva, com a sociedade, de um projeto nacional, de bases populares e respaldado pelas exigências do desenvolvimento.

             Por último, gostaria de endossar o pensamento do autor, no sentido de que “a democracia que nós socialistas defendemos é a democracia participativa, em busca de um Estado pluralista e de uma sociedade aberta a projetos associativos”; e de que “no quadro das crises, característica das esquerdas brasileiras, a conjuntura revela o desconforto resultante da incapacidade de formular uma teoria que explique e oriente a prática de governo numa realidade ideológica adversa”.

A Poesia de Wellington Alves

                                     
              Dimas Macedo

       
                                                                              Mano Alencar

           Wellington Alves é um dos melhores seres humanos que conheço. A sua alma de poeta, a sua transparência no convívio com os seus semelhantes, a sua ternura de amigo e a sua reputação de intelectual e profissional fazem do seu nome uma legenda viva do nosso tecido social.

         Cultura, irresignação e intuição para a realização do fenômeno poético sempre se somaram na personalidade de Wellington. A sua militância política de esquerda no âmbito da resistência à ditadura militar, e o exílio político que lhe foi imposto pelos detentores do poder parece que ficaram na sua consciência qual uma marca de bravura (e também de coragem) diante das investidas da vida.

        Conviveu com os círculos políticos e culturais franceses, fezendo-se ali psiquiatra respeitado, especialmente como Assistente Estrangeiro da Faculdade de Medicina de Paris, mas quando retornou ao Ceará rendeu-se ao império da poesia, ainda porque, desde cedo, encontrou na ternura de Fátima, sua mulher e sua musa, o maior de todos os seus poemas e a sua razão maior de existir.

         No Ceará, presidiu à Sociedade Brasileira de Médicos Escritores – Sobrames e preencheu, durante muito tempo, os bares, restaurantes e espaços culturais de Fortaleza com a sua alegria de boêmio e com o seu jeito livre de viver.

        Não o tenho na conta apenas de amigo, porque, em verdade, sempre quis ser o seu irmão, e porque sempre desejei o seu sorriso largo e a sua verve sutil e cativante, humana, sincera e refinada.

         Wellington publicou uma meia dúzia de livros de poemas e em todos se houve com o brilho da sua inteligência, fazendo dos instantes vividos o seu passaporte cultural para o eterno, porque recriada sua pesquisa semântica pelos insights do enlevo e pelas cores da sua postura de poeta que nunca negou a sua condição.

        Depois, ouvindo os ritos dissolutos de Manuel Bandeira, foi-se o poeta embora para a sua Passárgada, na encosta da serra do Araripe, para louvar a cidade do Crato e reinar soberano sobre o Cariri, deixando em Fortaleza parte sua alma transbordante, que agora reaparece carregada de novas criações.

         O seu novo Inventário de Poesias (Fortaleza, Apex Gráfica e Editora, 2011) é o coroamento da sua trajetória de poeta, porque plena a escritura dos seus versos, porque aguda a sua cosmovisão estética, porque referto de traquejo poético a urdidura da sua solução poemática.

Viagem ao Rio da Infância

              Dimas Macedo

            Porque acredito que a vida é feita de movimentos incessantes que modelam a nossa maneira de ser e de agir, aproveito o tempo de lazer para viajar, às vezes para conhecer o que existe para além dos muros do Brasil.

            Umas férias merecidas, sorvendo a cultura e a linguagem das velhas cidades européias, deixam no espírito, na imaginação e na memória algumas efusões que dificilmente se apagam nas nossas retinas fatigadas.

             Hoje (treze de dezembro de 2010), estou de retorno da bela cidade de Le Havre, situada na região da Normandia francesa, bem no encontro do estuário do Sena com o Canal da Mancha.

             A minha condição de professor convidado da Universidade de Le Havre, onde ministrei conferência sobre o processo eleitoral e os valores da democracia no Brasil e na América Latina me faz pensar na recompensa que a vida nos dá a cada instante.

            O que quero registrar nesta crônica, contudo, é o impacto que essa importante cidade portuária exerceu sobre mim, sobre a minha visão e a minha sensibilidade de artista e de viajante.

             Enfrentei uma tempestade de neve, há três dias, quando desembarquei em Paris, vindo da Alemanha, mas em Le Havre a temperatura se fez mais generosa com a minha condição de nordestino, acostumado com o calor dos trópicos e com o clima ameno que somente o Ceará sabe transmitir a seus filhos.

             Em Le Havre, assim como na França e em toda a Europa, as condições de vida das pessoas são muito diferentes daquelas em que vivem os nordestinos e muitos habitantes do interior do Brasil.

            A mente humana aqui foi libertada do processo de escravidão social e do processo de dependência política que vinculam muitos cearenses à manipulação dos seus representantes políticos.

          Em qualquer parte do mundo aonde me encontro, sempre me vem ao baile das lembranças os encantos da terra onde nasci e assim também o traço natural e cultural do nosso querido Ceará.

            Navegando sobre as águas do Sena, em Paris, ou contemplando o estuário do Sena, em Le Havre, o que me vem à mente, de plano, é o Rio Salgado e a sinuosidade das águas da infância; o que se impõe no percurso do sonho é o retrato da velha cidade onde nasci.


            Reencontrei Lavras da Mangabeira em todas as cidades pelas quais passei em vários pontos da Europa: assim em Londres, como também em Bruges, Amsterdam, Paris, Bruxelas ou Colônia.

           É como se o mapa mundi fosse povoado de saudades e lembranças que se gravam no recesso do sonho. É como se o Reno, o Tâmisa e o Sena refletissem a brisa serena do Salgado, o mais doce de todos os rios que os meus olhos não se cansam de ver.

                                                                         
                                                                                                 Paris, 13.12.2010

Ubiratan Aguiar: Fragmentos da Vida

             Dimas Macedo 

                                                    
                  Manoel de Barros, o poeta maior do Pantanal, revolucionou o jeito de fazer poesia no Brasil. A estalagem das folhas, o zumbido das abelhas, os troços e teréns que deparamos ao alcance dos olhos, e as coisas sem sentido da vida passaram para o lugar do desejo na imaginação do grande poeta brasileiro.

O seu modo de fazer a previsão do poema juntou-se ao dialeto algo geométrico de Cabral, abrindo assim uma porta para a poesia seminal de todas as idades, de forma que não mais precisamos da gramática da poesia moderna para medir aquilo que se faz de novo do lado de cá dos Pirineus.

A esse postulado, creio que podemos vincular a poesia de Ubiratan Aguiar, que sabe viver a liberdade do verso que lhe sai do batimento cardíaco e que lhe deixa os olhos marejados.

A nada se pretende, enquanto escritor, o poeta Ubiratan Aguiar. E a tudo ele aspira ao fragmento da vida e à comunhão madura da palavra. É na emoção que ele se enternece de forma soberana. E é na partilha do ser em movimento que ele se entrega, carregando consigo a estesia de fundir a letra com a música.

Seus poemas têm sido interpretados por nomes expressivos da Música Popular Brasileira. E não seria pouco dizer que ele é autor de meia dúzia de CDs, e dos seguintes livros de poemas: Idioma dos Pássaros (2003), Passageiro do Tempo (2005) e Versos da Vida (2007), aos quais se soma este Tropel do Tempo (São Paulo, Editora Elevação, 2011), que é o coroamento da sua trajetória lírica, da sua inquietude melódica e da sua escansão paradigmática.

Ubiratan é um dos melhores seres humanos que conheço: ético, disciplinado, polido e insurgente. Correto com o seu estilo de lutar pelo novo, de defender a Ética e a Justiça, de insistir na causa da cultura e de reconhecer a autonomia daqueles que estão no entorno.

Poeta ele o é, como já afirmei em outro momento deste texto. E poeta dos bons, para quem tiver ouvidos para ouvir. É dizer a palavra poética ou morrer. É dizer a sua solução poética para quem o quiser escutar, porque voo livre ele o tem, porque a liberdade do seu texto é a sua grande expressão.

Tropel do Tempo é um livro uno e plural a um só tempo. Uno e singular, é certo, antes de ser também universal, porque incita e muito nos enleva a escritura secreta do desejo e o arroio sublime da revolta.

O farfalhar das folhas, a brisa dormente das auroras, o sussurro melódico dos amantes e o sertão sublime da memória se juntam, com acerto, em seu universo criativo, em harmonia de sinos e em melodia de luzes e de alteridades.

Não sei o que dizer a respeito deste seu novo livro. E o que me ocorre pensar é convocar a sinfonia cósmica que nos une. Tê-lo como irmão é o que basta. E ler a sua produção poética é o que fica na nossa forma serena de dizer e de ouvir as vozes do desejo.

História de Várzea Alegre

                  Dimas Macedo 

                                                    
                                                                                                    
                  A região Centro Sul do Ceará caracteriza-se pela sua formação antropológica, pela sua identidade genética e pelos fulgores da sua vida social e política, escrita com o sangue dos seus primitivos habitantes, e pelo sino de seus inquietos bacamartes, que jamais pararam de troar, pelo menos até 1930.

                Encravada no espaço generoso do Médio Salgado, tem por núcleo primitivo de ocupação e conquista a povoação de São Vicente Ferrer, que evoluiu, com o tempo, para Lavras da Mangabeira, mas é em Várzea Alegre, mais precisamente no distrito de Naraniú, que vamos encontrar a capela mais antiga daquela região.

              Várzea Alegre pertenceu inicialmente ao município de Lavras, do qual se desmembrou para se constituir com vida política e social autônoma, dando, no entanto, a Lavras da Mangabeira, dois patriarcas da maior expressão: o Major Ildefonso Correia Lima, que casou com Fideralina Augusto; e o Tenente-Coronel Manuel Antônio Correia Favela, ancestral de duas importantes famílias daquele município.

              Cognominada de Terra dos Contrastes, em função de uma letra divulgada por Luiz Gonzaga, Várzea Alegre é uma cidade que se destaca em todo o Ceará em face, sobretudo, da sua tradição. Resistiu a dois monumentais ataques, no período da República Velha, e na modernidade ressurgiu qual uma urbe totalmente aberta para o novo.

            Várzea Alegre deu ao Ceará a inteligência de Sinézio Lustosa Cabral e a verve política de Figueiredo Correia; acolheu, no seu contexto social, o Dr. Manuel Gonçalves de Lemos, humanista e médico de renome; e viu nascer em suas terras a psicóloga Linda Lemos Bezerra, justamente a autora de Fragmentos da História de Várzea Alegre (Fortaleza, Editora RDS, 2011), que tenho a honra de prefaciar.

            Trata-se de livro singular e particularíssimo, escrito com a emoção e o afeto, mas carregado de certezas e verdades, no que tange à verificação das fontes, ao apuro dos fatos históricos, e também no pertinente à sua disposição temática, tão concatenada que se encontra a pesquisa por assuntos os mais variados, tais a formação histórica e geográfica da urbe, as suas personagens, a sua vida social e política e a sua afirmação econômica.

              A autora não esquceu de projetar as suas lentes sobre a figura singular do Padre Vieira, o famoso Padre do Jumento, patrono, com certeza, da ecologia do Nordeste, figura exponencial da cultura cearense, orgulho talvez maior de Várzea Alegre e orgulho também de toda a região.

                Na minha juventude, vivida na cidade de Lavras, eu costumava ouvir dos meus amigos (e constatar com os meus próprios olhos) que Várzea Alegre tinha as mulheres mais bonitas das cidades que ficavam no entorno. Subíamos de trem para Aurora ou descíamos de trem para Cedro, para apreciar, paquerar ou namorar as beldades, mas para Várzea Alegre íamos atraídos pelas mulheres que ali sempre mourejavam.

            Registro, por fim, que Linda fez um imenso bem à sua terra escrevendo a história do seu povo; condensando em livro o que aprendeu dos seus antepassados; e fazendo justamente o que já devia ter realizado, porque apaixonada pelo seu triângulo sutil e amoroso: CEdro, para os seus habitantes; VÁrzea, para os olhos de Linda; e LAvras, para o meu coração de poeta.

Lembranças de Moreira Campos

                  Dimas Macedo
 
 
                       
                  Não posso precisar quando vi Moreira Campos pela primeira vez. Sei, no entanto, que vim de Lavras da Mangabeira para morar em Fortaleza em novembro de 1972, e que nesse momento eu já o trazia comigo na bagagem, pois ele era um dos mitos literários da minha cidade natal, ao lado de Filgueiras Lima e João Clímaco Bezerra.
 
                 Lembro-me que, em janeiro de 1978, estive com ele no seu Gabinete de Pró-Reitor na UFC, pedindo-lhe uma apresentação para o jornalzinho O Boqueirão, que eu tinha fundado, com alguns colegas, em Lavras da Mangabeira, e do qual eu era o redator. Ele nos atendeu com a maior presteza, e o seu texto foi publicado em toda a extensão da primeira página do jornal.
 
               Tenho uma foto com ele, o Alcides Pinto, o Girão Barroso, o Caetano Ximenes Aragão e o maestro Alvarus Moreno que data de setembro de 1983. Ali, eu me destacando como o único jovem entre eles, com apenas 27 anos. Isto na casa do Alcides Pinto, na Rua Rodrigues Júnior.
 
               Sempre convivemos de forma fraterna e bastante próxima, ele me contando a origem de muitos personagens e cenários dos seus contos, como se a ficção fosse o desdobramento de suas vivências na infância, nas margens do Rio Salgado, e como se eu tivesse sido seu contemporâneo.
 
              Dele sempre recebi as maiores atenções e os melhores incentivos. Quando entrei na Academia Cearense de Letras, em agosto de 1989, aos 32 anos, ele se antecipou e pediu para ser o redator do parecer pertinente à minha admissão, fazendo, na oportunidade, um texto bastante acolhedor e afetivo.
 
             Não conto as vezes que lhe dei carona no meu carro, levando-o de volta para casa, nem quantas vezes nós nos encontramos para conversar sobre literatura ou para discutirmos sobre as minhas observações sobre os seus contos.
 
              Sempre li e reli a maioria dos seus contos, deliciando-me com a sutilidade, a precisão semântica e o achado estilístico com que ele recorta as suas ironias e o tecido de todos os seus contos, entre os quais destaco: “O Preso”, “Lamas e Folhas”, “A Gota Delirante”, “Os Dozes Parafusos” e “Irmã Cibele e a Menina”.
 
              Moreira Campos, de forma induvidosa, é um dos melhores escritores do Brasil. Não pertence somente ao Ceará ou ao Nordeste. É universal. A sua escritura literária tem o gosto da permanência e da concisão. É sutil, libidinosa e envolvente. E esteticamente muito bem realizada.
               Especialmente como contista, o autor de Cantos Escolhidos pode ser comparado a Machado de Assis, pertencendo, portanto, à linhagem dos grandes arquitetos da estória curta, a exemplo de Rulfo, Júlio Cortázar e Guy de Maupassant.
 
               Vale a pena, portanto, relembrar a vida e a obra desse grande contista cearense, assim como o fez o escritor Waldir Sombra, com o seu imprescindível – Moreira Campos: Professor de Histórias e de Amizade (Fortaleza, Editora Prêmius, 2011).