sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Carta a Lúcia

             Dimas Macedo

                                      

               Lúcia,

             Segundo uma sabedoria oriental, a vida é um rio, cujo curso não podemos deter. Acredito, pessoalmente, que devemos ter serenidade suficiente para aceitar o que não podemos modificar, e que o projeto de vida (no plano pessoal) compreende a afirmação (e a confirmação) da energia vital que se interpõe em nossa existência e que nos convida para o exercício maduro da beleza. A vida, em essência, é isto: movimento, desvelo da liberdade pessoal, decisão e persistência nas rotas do caminho.

            Assumo, nesse texto, diante do teu coração e da tua alma, a minha decisão de te amar, de te buscar, de te assumir como a miragem e o grande projeto de fé, amor e esperança que nos cabe viver a partir de agora. Nada tenho para te oferecer senão o meu amor, a minha atenção, a minha proteção e o meu cuidado diuturnos. Entrego-te também a minha carne, o meu sangue, o meu coração e a minha língua. E em te amando assim de forma tão terna e transparente, sei que nada tenho a perder e tudo tenho a ganhar.

              Recebo-te como uma graça e também como um prêmio que Deus me entregou como prolongamento da minha vida (afortunada e útil) e para testemunho da minha fé e da minha eternidade.

              Tudo o que tenho será teu a partir de agora. E tudo o que tens eu anseio e quero para mim, essencialmente como forma de aliviar aquilo que em ti constitui sensação de peso e desconforto. Os teus limites, as tuas fraquezas, a tua imperfeição e a tua queda serão para mim sementes de vitória. E tão valioso será tudo isso quanto aquilo que já é o sinal da tua grandeza e da tua beleza interior: a ternura, o afeto maior, a autonomia de sentir, a decisão de viver, a indestrutível capacidade de amar e de exercitar o ato de entrega: pleno, total, maduro, incondicionado.

                 A nossa experiência, a nossa comunhão, a nossa identidade, bela e totalmente translúcida, tal a verdade na face do espelho, dizem de perto a respeito de tudo o que nos cabe e de tudo o que nos foi reservado.

              Não há o que temer. Não há o que duvidar. Os desafios são muitos. As tentações, mais cedo ou mais tarde, chegarão. As dores, ainda que atenuadas, irão persistir. A minha convicção, porém, é que o amor é tudo e que o amor é a única coisa real. Eu te amo, aceito o teu amor e estou convencido de que vamos nos amar da forma mais harmônica possível, da forma mais pura e sincera, da forma mais absoluta e fiel, até onde for possível transcender, até onde for possível chegar, pois o nosso rio já começa a correr: nos nossos corações e nas nossas bocas.

                                                                      Vila de Jardim
                                                                     Margem esquerda
                                                                     do Rio Jaguaribe
                                                                     Encontro com o mar

13 de fevereiro de 2006

                                                     Dimas Macedo

                                       
                                                                        Dois Mil e Seis



     

Dois Mil e Sete



                                         

                                                                    Dois Mil e Oito
                                                                 


      

                                                                Dois Mil e Nove

                                    

                                                

                                                                    Dois Mil e Doze

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Prainha

                                    Dimas Macedo

                           

                                  Aquarela de Rosa Firmo,
                                  feita especialmente
                                  para ilustrar este poema.


                  Búzios de Prainha,

                  solos do desejo:

                  o teu beijo

                  nas lagoas de sol

                  do olho d’água;

                  porque nas águas

                  do teu colo,

                  eu colo a minha língua:

                  nas velas do teu corpo,

                  na nuvem de fogo do teu beijo.

                                                  Prainha, 03.08.2007
                                                
                                                Poema estraído do livro O Rumor e a Concha
                                                      (Fortaleza, Ediçoes Poetaria, 2009)

Décimas a José Alcides Pinto

                        Dimas Macedo

                                


                           
 
                                  Retrato de Alcides Pinto pintado por
                                                Fernando França
 

                               Convoco as musas risonhas

                              com suas formas estéticas

                              da vida extraio as patéticas

                               maneiras de ver o mundo

                              e dos abismos profundos

                              do ser tal como um esteta

                              com a visão de um profeta

                              e os sonhos de Baudelaire

                              faço profissão de fé

                              para falar de um poeta.

 

                              Seu nome é José Alcides

                              Pinto e provém da ribeira

                              do Acaraú e anda à beira

                               da loucura que o consome

                               pronunciar o seu nome

                              é um ato de maldição

                              porque o seu coração

                              não comporta desenganos

                              é maior que os oceanos

                              que campeiam a imensidão.

 

                              É um poeta maldito

                              bucólico e visionário

                              diabólico e solitário

                             tal como foi Mallarmé

                             descende dos Tremembés

                             e de um pastor de ciganos

                             inda no verdor dos anos

                            teve a visão das quimeras

                             e o rastro da besta-fera

                             persegue sempre os seus planos.

 

                              Erótico e contemplativo

                              exótico assim como um monge

                              seus versos ressoam ao longe

                              seu canto é quase profético

                              seu jeito quase esquelético

                              lhe dá a dimensão de um sábio

                              é um romancista hábil

                              porém seu fazer artístico

                             revela um poeta místico

                             só no murmurar dos lábios.

                   

                              Ensaísta e teatrólogo

                              tem parte com o Satanás

                              porém não se satisfaz

                              com a obra que nos legou

                              e diz que apenas esboçou

                              parte de sua escritura

                              e algumas partituras

                              para tocar ao piano

                              antes de findar seus anos

                              ou no reino da iluminura.

 

                              Tem no sobrenatural

                              a sua razão mais forte

                              pois acredita que a sorte

                              determina a existência

                              é fatalista e a ciência

                              pra ele é o desconhecido

                              é um mágico enlouquecido

                              o criador de O Dragão

                              tem mesmo parte com o cão

                              esse poeta atrevido.

 

                              É Editor de Insônia

                              e um homem cheio de estigmas

                              é o autor de O Enigma

                              que ainda não deciframos

                              é o poeta que amamos

                              como ao irmão mais querido

                              é um soldado ferido

                              nas trincheiras da ilusão

                              da guerra em que o coração

                               pelo amor foi vencido.

 

                              É um Pedro Malasarte

                              em artifício e mistério

                              reza no seu batistério

                              que viverá muito além

                              que viveu Matusalém

                              com sua melancolia

                               quando nasceu era dia

                               porém tudo escureceu

                               quando o Alcides nasceu

                               fazia sol e chovia.

 

                               Maior que as suas ideias

                              nada existe neste mundo

                              nem mesmo os brados profundos

                              de Cristo preso ao madeiro

                              nem Antônio Conselheiro

                              com a sua nobre missão

                              nem Bonaparte e Platão

                              nem o ouro que reluz

                              nada tanto nos seduz

                              quanto a sua pregação.

 

                              Nem Os Doze Pares de França

                              com as suas mil aventuras

                              nem O Grilo com as diabruras

                              que a ninguém deu descanso

                              e nem mesmo Lobo Manso

                              que foi vate de primeira

                               nem Romano do Teixeira

                              nem a luz da existência

                              nada como a inteligência

                              dessa figura altaneira.

 

                              Seu pensamento é fantástico

                               trágico e pornô a um só tempo

                               suas palavras os ventos

                              espalham pelas montanhas

                              e penetram nossas entranhas

                              como mensagens de fé

                              seus Cantos de Lúcifer

                              desmistificam ilusões

                              são tais como as danações

                              do corpo de uma mulher.

 

                              Abutre da Noite Verde

                              poeta desconcertante

                              não se aquieta um instante

                              sempre vive a produzir

                              mesmo tendo que mentir

                               prefere a verdade nua

                               incisiva, fria, crua

                              como a de Augusto dos Anjos

                              o acorde dos seus arranjos

                               pelos espaços flutua.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Confissão de Fé e Transcendência

          Dimas Macedo

                                               
                                                        
                                                             Mosteiro dos Jesuítas em Baturité (CE)
                                                                         Foto de Lúcia Cidrão

              Sou um homem fascinado por Deus e vocacionado para Deus. A infância espiritual de que nos fala Santa Teresinha, em História de Uma Alma, foi o primeiro dos meus muitos estigmas divinos. E depois, com o tempo, me fui deixando seduzir pelo Cristo vivo das epístolas de São Paulo, o maior e o mais belo de todos os servos do altíssimo.

           O sentido de justiça que ilumina o meu discernimento; os avisos que me são revelados na dúvida; a transformação das minhas energias perdidas, quando estou diante da morte e do abismo; a recepção da minha compaixão e da minha solidariedade latentes, por parte de grupos e pessoas - são, entre outros atributos, traços com que Deus me dá o sinal da sua graça e da sua presença em minha vida.

           Na sociedade moderna, o conhecimento sobre as coisas do mundo e a informação sobre suas misérias aumentam ainda mais a ânsia dos que sofrem. E assim sendo, faz-se preciso que o espírito de Deus transborde, definitivamente, do interior das pessoas que realmente o amam e que vieram ao mundo para glorificar o seu nome.

             O reino da violência e a sua difusão entre as massas é tão somente e momentaneamente uma manobra ilusória das coisas abjetas sobre o sentido plural e dinâmico da vida interior das pessoas, que não cessa e não vai jamais se extinguir. O modelo econômico e o sistema político de hoje não serão, necessariamente, formas de exercício do poder político no futuro.

           Temos que atentar para o fato de que, quem conduz o mundo e a história, não é uma armação política momentânea, porém a força vital dos homens de boa vontade e de ação que comandam os bastidores e a parte maior da arena social, que é apartada e excluída da sociedade da estupidez e do ócio, e que forma, por isto mesmo, o cenário por onde as construções humanas e as grandes esperanças trafegam.

             Não aceitaria jamais chegar a Deus ou partilhar da sua bondade e da sua compaixão eternas trilhando unicamente a lógica e os raciocínios simplistas dos que se deixam boiar nas ilusões, em busca da razão e dos falsos caminhos da certeza.

            Deus é uma revelação interior e uma vocação singela que se instalam nos recessos da alma. Total e triunfante, onisciente, plural e a cada dia mais novo e redivivo, Deus se encontra pulsante no interior de todas as pessoas, independentemente de sua posição social e de seu credo religioso ou político.

           Deus e o seu reino estão dentro de nós como uma rocha. Não adianta tão-somente procurá-lo dentro de igrejas, em ladainhas mentais inconsequentes e em rituais que nunca livraram o homem do abismo. O Deus que aceito e o Deus que proclamo é o que habita em mim de forma compulsiva. É o que fica comigo diante do espelho. É o que se deita comigo na varanda e pastoreia as estrelas do céu com olhos totalmente cegos de belezas.

           As estrelas são pedras de Deus no firmamento. São partículas de luz para guiar a crença. E os céus e os seus limites infindáveis são os campos de pastoreio do altíssimo e de suas plantações de uvas e de trigo. O vinho que Deus faz nessa oficina mágica é para enternecer o homem e desvia-lo do caminho torpe do pecado. E o pão é para saciá-lo da fome que o conduz de volta para a morte.

            Creio que fui feito por Deus para vencer a solidão da morte, para voar na direção do silêncio e para pairar por sobre os vales maduros da espera. Não fui feito para a morte da vida que se esvai no balanceio do corpo, que se estraçalha na decomposição dos tecidos e dos ossos.

            Pertenço às estruturas da vida que se edificam a partir de fagulhas de luz e de soprinhos menores de borrascas, que se acumulam nas vertigens do corpo e que formam as imensas dunas do espírito. Os meus alojamentos e as minhas estalagens, e as minhas ferramentas de místico e de poeta eu aí as deposito para com elas escalar as montanhas da alma e me lançar diante de Deus e sorver o brilho maduro dos seus olhos.

           Registro, por fim, que em matéria de coisas do eterno, sou seduzido pelo Cristo Cósmico dos escritos de Theilhard Chardin, mas que sou fascinado, também, pela via mundana de preparação dos grandes projetos do espírito, porque me diz de perto o processo de purificação das essências humanas pelo fogo. A via, portanto, através da qual, Santo Agostinho de Hipona edificou a fé no meio da razão.

             Desse grande arauto de Deus e da Igreja, tocaram-me sempre, de forma indelével, as suas Confissões e a claridade com que abriu a alma para o mundo, revelando-nos a santidade de que o mundo está contaminado. A sua mística cultural e a sua razão hermenêutica sempre foram para mim quase tudo em matéria de fé, mas não o suficiente para me tirar da rota dos castelos da alma, que são os mais belos recessos do espírito e a morada de Deus, sem nenhuma dúvida.

          Teresa de Ávila é a maior de todas as minhas referências, no plano do espírito e no plano da ação humana com que buscou salvar a obra de Deus em construção. Com o seu Castelo Interior ou Moradas, a Igreja do Cristo ressurreto tomou um vulto totalmente novo e as cavernas da mente passaram a abrigar as luzes do espírito. E é por isto que eu amo a sua postura de mestra e de doutora, a sua aflição pessoal e particularíssima, e assim também o denodo com que venceu os dilemas da imaginação e os caminhos errados da beatitude.

              Com San Juan de la Cruz, o maior de todos os poetas divinos, aprendi a encontrar as levezas mais puras da vida interior e a escalar os andaimes da graça em busca do amor de Deus e do perdão. Com ele, o sentido da morte se tornou mais leve em minha vida, e os vales da alma se fizeram brancos como a neve.

            A resignação e o amor que vi frutificados em seus textos, em prosa e em verso, levaram-me depois à humildade e a um imenso desapego das coisas; e os ensaios de Santa Catarina de Siena e de São Vicente Ferrer mostraram-me que a noite escura da alma é o início da sua redenção.

           Sou, portanto, um místico na mais conhecida acepção do termo. Um místico e um monge que se deixou queimar pelas paixões mundanas e que agora renuncia às ilusões do ócio em favor de um mundo novo que se abre, e que se quer unir pela beleza com a beleza da vida transcendente.

            Os clássicos espirituais da cristandade e a luz das escrituras sagradas como um todo, o amor e a graça de Deus em minha vida, os mistérios infindáveis da dúvida e os rituais sagrados da renúncia são os vórtices com que me armo guerreiro para vencer as fantasias da mente.

            Não tenho dúvidas de que sou um cristão na carne o no espírito. E se vim ao mundo, foi para desfrutar a plenitude do mundo, apartado totalmente o espírito das ilusões do ego e da maldade.

            Não penso (como nunca pensei) que a renúncia é uma prova de fogo. Acho, pelo contrário, que a renúncia é o início da busca e que a busca de Deus é o sentido. E o Deus que busco é o Deus total das coisas mais singelas, o Deus dos excluídos e necessitados, o Deus dos oprimidos e dos que morrem de fome e de sede por falta de Justiça.
          
 
Igreja de Jesus, Maria e José, em Marrecas
Tauá (CE). Foto de Cleonice Cidrão
 
                                                                           
                                                
 
    Igreja de São Vicente Ferrer em
   Lavras da Mangabeira (CE)
Foto de Lúcia Cidrão
                                                                         

O Rumor e a Concha

 
  Dias da Silva                                                                                                                                           
 
 
Vale das Nuvens (Guaramiranga - Ceará)
Foto de Lúcia Cidrão
                     
               É de Bayron esta compreensão: “para um homem tornar-se poeta, é preciso que esteja apaixonado ou desgraçado.” Ele se dizia ser as duas coisas juntas.  Dimas Macedo é um apaixonado (desgraçado? Com certeza, não no sentido que, em geral, se empresta ao termo) pela Poesia. Que sabe falar a linguagem artística. Que tem a fala poética, distinta da habitual por expressar-se em imagens especiais. É que faz da poesia uma espécie de filosofia, de atitude e de constante maior em sua vida.
 
            Deparo Paulo Leminsk com esta idéia: “Cada vez que a linguagem se volta sobre si mesma para produzir prazer – não apenas conteúdo e significados –, neste momento temos poesia.” Assim, tem-se poesia nas páginas de O Rumor e a Concha (Fortaleza, Edições Poetaria, 2009), de Dimas Macedo. Poesia transcendência, com o imaterial vencendo o material. Poesia transbordamento espontâneo de sentimentos poderosos.
 
            E S. Y. Agmon vem aqui para dizer que, “Se não vale a pena ler um livro duas vezes, não é preciso nem lê-lo uma única.” Ora, amigo leitor, digo-lhe que já reli – e reler é fazer redescobertas – O Rumor e a Concha e valeu a pena pelo encantamento de sua incessante novidade.
 
            É verdade: nem há procurar e o leitor já encontra, às claras, palpável, na maioria dos versos, premente novidade de páginas rigorosamente marcadas pelo domínio da síntese e da economia lingüística, pelas conquistas poéticas. Neste livro, o Poeta chega bem mais alto: até a conquistas filosóficas e de densidade humana à flor da pele, em versos curtos e rápidos, diga-se, versos faísca, versos relâmpago. É uma poesia dosada de sensualidade, cheia de corpo (o signo “corpo” vem às páginas por 28 vezes) e de pele. É o império da voz do corpo e da voz do sensual que é de todo mundo, da voz da alma, de voz de gente.
 
            Quem disse isto – adianto-lhe o nome: Ernest Hemingway – fê-lo acertadamente: “O escritor que para de observar está acabado.” Em relação ao poeta, cabe dizer-se: o poeta que para de emocionar-se e emocionar está no fim. O verso de Dimas Macedo deixa emoção na gente e a gente no estado estético.
 
            Além disso, tem-se o poeta do vir-a-ser, isto é, sempre no caminho do aperfeiçoar-se e melhorar. Dimas Macedo não está acabado. Nunca: feito escafandrista, está mergulhado no existencial, em observação contínua dos sentimentos e dores mais profundos do ser humano. Confirma-o O Rumor e a Concha: é uma poesia para melhor. Para mais poesia. Para máquina mais perfeita de produzir emoção.
 
            É, tudo isso é O Rumor e a Concha.  Até no título há mais poesia. Mais música. E mais mistério. É verdade: o rumor da concha lembra mistério e grandeza. O Autor tem esta compreensão: “(...) pois ser poeta/ é ouvir um trovão/ a cada milésimo de segundo.” É o tempo para sua pulsação materializar-se no verso. Poucos versos, em O Rumor e a Concha, se concebem em 10 sílabas poéticas. A maioria se distribui entre duas e sete. Assim, tem-se uma poesia síntese, pelas tantas e bem postas elipses verbais e mentais. Emoção, sentimentos, sonhos e música (e significados) concentram-se em poucos signos linguísticos. São versos rápidos com densa carga emocional e significativo-indireta.
 
            Os tercetos (32) – estrofes de três versos – lembram haicais, o que fazem também os quartetos, bastando, para tanto, a eliminação de um dos versos. O haicai tem, por excelência, a forma breve, e as formas breves atraem o olho do leitor que vai aos versos como a algo que não vai aborrecê-lo.
 
             Roland Barthes escreveu: “O terceto do haicai exerce sobre nós uma fascinação – não pela métrica mas por seu tamanho, sua tenuidade, isto é, metonimicamente pela aeração com que ele gratifica o espaço do discurso.”
 
            A poesia de Dimas Macedo deixa no leitor essa fascinação pela síntese e rapidez do verso e o leva à reeleitura pela condensação da emoção. Cada verso é um todo de palavras que se renovam parecendo nunca ouvidas. O Poeta reconhece que “dizer de antemão é destruir; nomear cedo demais é atrair a má sorte”. Daí por que sua poesia é mais para ser sentida e ouvida. Dimas Macedo faz-se mestre na arte de reduzir à essência o que leva o leitor ao prazer de estar emocionado.
 
            Digo Dimas Macedo o poeta da infância, da infância feliz que é de todo mundo. Mas não há infância em O Rumor e a Concha, senão estados e sentimentos outros, também de todo mundo: o sorriso é de todo mundo. O corpo (sensual) é de todo mundo. O amor viceja em todo mundo. Beijar é de todo mundo.
 
            Entretanto, o Poeta não pode fugir à própria dimensão de preocupado com o outro. Com a dor do outro. Com a dor existencial. Dir-se-ia que não está em paz enquanto houver dor ao lado: “(...) e sinto as dores do mundo/ como se fosse adivinho.” É verdade, Dimas Macedo tempera a vida com sentimentos de preocupação e de solidariedade ao ser humano.
 
            Em O Rumor e a Concha, o Poeta varre as lembranças infantis. Em contrapartida, refugia-se em corpo e pele, em assumida crença na força sensual.
 
            O Rumor e a Concha é um livro só de poesia: é sem prefácio e nada nas dobras, mas cheio de tudo. Ouça-lhe os rumores: eles levam você ao prazer estético e à emoção.