terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Frederico - Restaurante

                                    
                    Dimas Macedo





                                Se não fosse o Frederico, havia
                                disposição pra viver de outra forma,
                                mas o Cantinho do Faustino importa
                                bater na sua porta todo dia.

                                Ali a alegria implora
                                ao coração para amar a boa mesa
                                e a nobreza dos vinhos,
                                o forno à caçarola,
                                a costela de ervas de suíno.

                                O bacalhau ao sal,
                                à moda portuguesa,
                                e o carré de cordeiro
                                a jeito do Divino.

                                Mais que um hino,
                                o Frederico é
                                a Carta de Couver
                                feito mulher na mesa.

                                Ali, se conjuga o prazer,
                                ali se descortina
                                a Fortaleza nova
                                de alma libertina.

                                       11/10/2013

Amika



        Dimas Macedo



                                     Panini de ricota
                                     expresso;
                                     no universo,
                                     o corpo no mergulho.

                                     Entre línguas de doce
                                     e a alma libertina,
                                     ali se descortina
                                     um gosto sempre novo.

                                     Ali, eu visto o terno;
                                     ali me reconheço;
                                     e sinto o paladar ao pesto.

                                     Fortaleza, janeiro de 2015

domingo, 3 de janeiro de 2016

Centenário de Honório Bezerra

          Dimas Macedo



         Nasceu Honório Bezerra em Lavras da Mangabeira, aos 26 de junho de 1916. Filho de José Alves Bezerra e de Maria Augusto Bezerra, teve por avós paternos, Vicente Alves Bezerra e Senhorinha Alves Bezerra, e, maternos, o coronel Honório Correia Lima e Petronila Augusto Lima (Mussurica).

         Iniciou sua atividade estudantil no Grupo Escolar de sua terra natal, onde concluiu o curso primário, indo, posteriormente, estudar no Ginásio do Crato, sob a orientação do Padre Francisco de Assis Pita. Os estudos secundários foram realizados no Colégio Cearense, em Fortaleza.

         Em 1934, ingressou na Escola Politécnica da Bahia, por onde saiu Engenheiro Civil em 1938. De 15 de março de 1953 a 30 de novembro de 1954, a convite do Departamento de Comércio dos Estados Unidos, participou, com distinção, do Curso de Especialização em Geodésia, ministrado pela U.S. Coast and Geodetic Survey.

         No Conselho Nacional de Geografia, vinculado ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ingressou como Engenheiro Civil, em 1º de março de 1941, tendo, no exercício da sua profissão, efetuado o levantamento das coordenadas geográficas e promovido a implantação de marcos geodésicos em diversos municípios do Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Bahia, Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

           Regressando ao Ceará, aqui chefiou a secção estadual do IBGE, e na Universidade Federal do Ceará, onde ingressou em 1957, organizou e implantou a cadeira de Geodésia e Astronomia de Campo, no Curso de Engenharia Civil, disciplina que regeu, como Professor Catedrático, até a data do seu falecimento.

          Pioneiro, no plano nacional, no estudo e desenvolvimento da Geodésia, da Geografia e da Engenharia Cartográfica, participou Honório Bezerra, como representante do Brasil, da VI Reunião Panamericana de Consulta Sobre Cartografia, realizada na cidade de Trujillo, na República Dominicana, em 1952, sendo ainda um dos organizadores do XVIII Congresso Internacional de Geografia, realizado no Rio de Janeiro em 1956.

         Quando faleceu em Fortaleza, vítima de brutal assassinato, aos 23 de setembro de 1959, era chefe da Secção de Nivelamento do Conselho Nacional de Geografia, tendo realizado, neste sentido, trabalhos nos mais diversos estados brasileiros.