sábado, 14 de setembro de 2019

Machado de Assis - Carta a Eduardo Luz


      Dimas Macedo




         Eduardo Luz,
        Durante três noites, estando em viagem pelo Continente, li o seu livro sobre os mistérios de Helena, a filha adotiva de Machado de Assis e o princípio de sua transgressão incestuosa.

         Li cada uma das partes em cidades diferentes, obedecendo à minha intuição. Na primeira noite, a leitura fluiu com os vinhos de Mendoza; na segunda, a travessia mais longa, acendi a calefação do meu apartamento; na terceira, concluí a leitura a passos de um tango.

         Dia seguinte, desfilando pela Rua Florida, encontrei dois autores que muito admiro. Inesperadamente, Rayuela e Dom Casmurro estavam lado a lado na vitrine de uma livraria. Feliz coincidência, pensei. Mas veio-me à lembrança que Cortázar tinha sido citado no último segmento do seu texto.

        Somente aí fechei a leitura do seu livro sobre a tragédia de Helena, a mãe de todas as mulheres de Machado de Assis, entre as quais, incluo as raízes de Iaiá Garcia e a santidade de sua musa Carolina.

        Já no segundo instante da minha caminhada, um rio abriu-se em minha alma e senti que Helena já não estava comigo. Eu esquecera o seu livro na Casa de Vitória Ocampo, que visitei no dia anterior.

         Tomei, então, a esquerda do restaurante La Cabrera, e eis o que deparo na terceira esquina: a Plazoleta Cortázar e sua duvidosa triangulação, feita de forma a abraçar a Calle Luis Borges, o dono do bairro de Palermo.

         Na mimosa Livraria Borges, encontrei-me com o Quincas Borba, e um cão labrador passou a me seguir os passos. Saí do meu isolamento e lembrei que o autor de Ficções tinha o hábito de ali se recolher em silêncio quase absoluto.

         O cânon de Machado de Assis já não será o mesmo depois da sua pesquisa: arguta, grega, intensa, sutil e refinada. Quem escreve assim, o faz para a posteridade e para a riqueza da língua.

          O Livro Que Não Foi Lido: Helena, de Machado de Assis, bem que merecia um parêntese, quem sabe, um colchete ou uma chave. A clave que usei não abriu todas as portas do seu livro, pois o seu trabalho revela não somente um enigma, mas uma pedra angular com gosto de cabala.

          Virgília é Virgília, e Capitu tem apenas os olhos de ressaca. Não possuía um escorpião no desejo, assim como Helena, nem a santidade que cuidava dos olhos de Machado, o mais doente de todos os escritores brasileiros e o menos lunático.

           A pilhagem da tragédia grega, levada a cabo por Machado de Assis, ao sabor da sua leitura fervorosa, é verosímil e oferece pano para as mangas.

           Não sei onde ficou em mim a primeira e única leitura de Helena. Preparava-me para um vestibular em 1977 (dividindo-se aqui vinte e quatro por três), quando me ocorreu o encontro. Fiquei embaraçado e não compreendi, mas Helena ficou em meu juízo, teimando com a razão e com o ócio. Agora, quarenta e dois anos depois, vejo que a metade do período, quando dividida por três, aponta para o número mais conhecido da Cabala.

         Dois mil e dezenove também se permite um bloco de imagens que redunda em um signo, e a imposição que me chega leva-me a supor que tenho que ler Helena duas vezes ainda este ano. Espero que Machado de Assis permita e que você entenda o significado do meu gesto.

         Antes, contudo, de abrir o seu livro, li, sem querer, Casa Velha, mas Helena, o romance, não quis abrir suas portas, como eu esperava.

          Melchior, um cretino; Helena, uma calculista; Estácio, quase nada; e o Conselheiro Aires, o mesmo Conselheiro Vale na maturidade.

          Um impostor, Machado de Assis, assim como aquele agrimensor que não consegue alcançar o Castelo que foi edificado para nunca ser acessado. Kafka, enquanto leitor de Machado, viu que os grandes enigmas da alma nunca serão atingidos, porque são Castelos do Mundo Interior, ainda que a sua quantidade seja sete, nas lições da maior Doutora da Igreja.

           Nesse sentido, Eduardo, seu livro é apenas uma hipótese e quase não é nada, diante da grandeza de um velho bruxo, mas a sua pesquisa se impõe, porque, indiscutivelmente, é muito original, enquanto trabalho acadêmico e Manual de Bruxaria.

            Ler Machado de Assis é mergulhar no abismo. Não compreender a sua criação é chamá-la de obra romanesca. Esse escritor não é anjo, mas demônio, que vestiu, desde cedo, alma feminina, e que não poupou nem o Conselheiro Aires, às portas do seu falecimento. Vejam-se aí suas mulheres, e veremos que o velho diplomata não existe.

            Machado de Assis não é apenas um mágico, mas uma voz que perpassa toda cultura literária, a clássica e a moderna.

             Donde Shakespeare, Dante, Goethe, Virgínia Woolf ou Tolstoi, somando-se a esse grupo mais quatro escritores, Machado de Assis está entre eles, trazendo para si o segredo que envolve a arte da palavra.

              Não fosse o seu livro tão enigmático e tão afetuoso, eu não teria ganhado o tempo precioso de escrever esta carta.
                                    
                                                                        Entre Buenos Aires e São Paulo, em 28/08/2019

Clauder Arcanjo - Mulheres de Licânia



          Dimas Macedo


                   As mulheres cortam como se fossem lâminas, cosem a nossa língua e dissecam a nossa substância. Depois, se olham no espelho e modulam a sua tirania, como se os homens não pudessem sequer respirar. Homens? Para que homens, se todas as mulheres são fantásticas, desde o nascedouro, ainda no ventre da baleia?

          Três escritores que conheço, na seara do conto, fizeram das mulheres seres ainda mais admirados, com pinceladas de drama e de suspense que as levaram para muito além da ficção. Falo de Ronaldo Correia de Brito, com o seu livro Faca, Eduardo Galeano, com o aliciante Mulheres, e Juliana Diniz, com O Instante-Quase.

          Licânia é uma cidade mítica cearense, revelada pela pena de Clauder Arcanjo e onde cabe quase tudo: o argumento literário, as máscaras que revestem as suas personagens, os tipos populares que escorregam pelos seus becos e travessas e que desfilam como atores no meio da sua gentalha, esgueirando-se pelos púlpitos e palanques da comunidade.

          Licânia é uma poderosa força magnética, um idioma que se movimenta e reconstrói o seu vocabulário. É também o título do livro de estreia de Clauder Arcanjo, misto de editor e escritor, misto de contista e cronista, porque nestes gêneros ele melhor se revela na arte de tecer o fio das palavras.

          Clauder Arcanjo é um romancista ousado, um pensador maduro, um novelista que se diverte com os seus leitores, um poeta na escultura das formas com que elabora a cosmogonia de suas crônicas.

         Um Sarau das Letras compõe a sua sinfonia, na qual se acresce a nobreza do diálogo. Faz literatura com esmero e com a medida dos iniciados. Sabe tecer o texto com a letra, e com a letra ele refaz o seu discurso.

         Gostaria de aqui rememorar o seu livro de poemas, Novelário de Espinhos, e a sua habilidade para estruturar o romance picaresco, gênero no qual se destaca o seu astucioso Cambono. Mas ele me pede que neste prefácio eu fique apenas com as suas Mulheres Fantásticas e com os desenhos de Raisa Christina que se juntam ao tecido das imagens fabuladas.

         Pede-me o Clauder Arcanjo que eu esqueça aquilo que escrevi acerca do seu livro de contos, que ele intitulou Separação, e que eu me aventure pelas estórias deste seu breviário de causos, referto de mulheres-tipos ou de mulheres-topoi, como queriam os gregos e como queremos nós, seus leitores mais ávidos.

          Creio que Clauder Arcanjo prescinde de apresentação, de prefácios, e que todas as suas obras deveriam ficar sem orelhas, porque em tudo que escreve, reluz uma escritura polifônica e os achados estilísticos que remarcam a sua narrativa.

        Transformar pessoas simples de um povoado em uma grande expressão literária, como fizeram García Márquez e Juan Carlos Onetti, e como podemos constatar neste livro de Clauder, é fazer da partitura do texto o elemento da sua substância.

          Clauder sabe que a literatura é um ato de transformação e que a ficção por ele praticada é feita com o sangue das palavras e com o arquétipo das suas personagens. Trata-se, no caso, de um escritor talentoso, que conhece os segredos e o engenho da arte literária.

         A oficina que fiz com a obra do autor, no último carnaval, levou-me a ler duas das suas publicações que eu não conhecia, especialmente, o seu genial inventário de crônicas Uma Garça no Asfalto, obra-prima no gênero, na literatura de Língua Portuguesa.

         A estes livros de Clauder, eu acrescento a ficção que se contém em Lápis nas Veias, de 2009, obra de arte literária na qual condensou a síntese das suas preocupações estilísticas e das suas tiradas imagéticas, enriquecidas pelas fotos de Pacífico Medeiros.  
      
         Nas páginas de abertura deste volume, não vou revelar seus mistérios, nem os seus enredos, nem dizer que ele merece ser lido, porque sei que o impacto da sua edição será a báscula do desejo que irá atrair os seus leitores.

         Mesmo tratando-se de histórias ficcionais, Mulheres Fantásticas também pode ser lido como uma reunião de crônicas e memórias, como fragmentos daquilo que se pode fazer com a magia das mulheres e com a aura de suas fantasias.

          As Mulheres de Licânia, desveladas pelo autor deste livro, causam-nos a impressão de que vivem em território mítico, resguardado por um contexto cênico que prima pela densidade das formas e pelos recursos da dialogia.

           Para a Literatura, a mulher e os seus arquétipos são fontes de inspiração que nunca se esgotam, especialmente, quando concertadas por um escritor de talento, como é o caso do artífice deste livro. 

          Mulheres Fantásticas (Mossoró: Sarau das Letras / Fortaleza: Edições Poetaria, 2019) compreende um conjunto literário de maior alcance, onde a atmosfera dos enredos se confunde com suas personagens, e onde os figurinos entoam para os ventos uma canção de gesta.

                                                                                             Fortaleza, 06 de fevereiro de 2019

Arte - Da Estética e Outras Questões


       
         Dimas Macedo     


         As manifestações artísticas e naturais constituem um conjunto de signos que nos ajudam a entender porque estamos no mundo, e qual o significado que a obra de arte representa, e porque a sua fruição é tão essencial para as nossas relações com o ser e o devir.

            A Filosofia parece ser a mãe de todas as artes, e as expressões da arte sempre estão a sugerir perguntas que não se unificam em torno de um fim. Uma das funções da Arte é estimular percepções e criar um novo sistema de linguagens, ou exercer a faculdade, que lhe é inerente, de formular uma paródia para a existência.

             A Beleza, assim como a Ética, requer um pensamento filosófico que possa justificar a sua procedência, levando-nos às categorias da Estética para a compreensão desse imperativo, sobre o qual versaram filósofos tão dispares quanto Platão e São Tomás de Aquino, e especialmente, Kant e Friedrich Hegel, na modernidade.

             As questões estéticas são questões filosóficas, e requerem, de quem as enfrenta, uma reflexão e um ponto de partida que estejam ancorados na dúvida e na diversidade, e no confronto da mente com a Dialética, a primeira entre todas as formas de conhecimento.

              O livro de Alder Teixeira e Carolina Araújo, Arte: Da Estética e Outras Questões (Mossoró: Sarau das Letras, 2019), dispensa qualquer forma de apresentação, em face do discurso maiêutico no qual o seu texto se desdobra, abrindo-se para os seus leitores desde os seus matizes e os seus argumentos, aí enfrentando os autores assuntos da maior relevância para o estudo da Arte e dos seus potenciais fenomenológicos.

             A exposição dialógica da Estética e da Filosofia que a compreende, no caso, a Filosofia da Arte, não é recurso usado com frequência por filósofos modernos. Pertence ao jeito de explicar inerente aos antigos, sendo, assim, de grande utilidade, a forma escolhida pelos autores para veicular as teses que professam, e que são instigantes.

           O que é Arte? O que são os estilos de época? O que a Arte significava na antiguidade e o que ela significa em termos de consumo? As artes possuem um valor? Os pães e o circo seriam, efetivamente, aquilo que parecem, se a Arte não os tivesse transformado? Eis algumas perguntas que o leitor pode inferir da leitura atenta deste livro.

           O convite que recebi de Alder Teixeira para fazer a abertura do volume, honra-me sobremodo. A ele, intelectual exemplar e amigo querido, junta-se a inteligência de Carolina Araújo, arquiteta e poetisa do more filosófico que se colhe na troca de ideias.

           Os autores hão de perdoar, com certeza, o alongamento deste texto que fiz contra a minha previsão. Alder me pediu um comentário, mas creio que me excedi, na medida em que os prazeres do texto se foram relevando, e tornando o ensaio ainda mais provocante.

            Antes de iniciar sua leitura, pensei que o texto trabalhado pelos autores fosse daqueles que clamam por uma explicação, acerca da sua natureza. Enganei-me, pois se trata de uma obra aberta, que exige de quem a desvela, sensibilidade, e olhos para ver aquilo que os discursos anulam nas sociedades de intenso consumo.

           Após a leitura, as minhas indagações, dúvidas e interrogações ficaram ainda mais acesas. E tudo isso para mim é um regalo, e regalo maior será para aqueles que vierem a se acercar deste livro, de onde brotam uma rosa vermelha e um ramalhete, uma experiência de vida e um fervor filosófico para a Esperança.

quarta-feira, 29 de maio de 2019

Prefácio Para Neide Freire

       Dimas Macedo



          Raimunda Neide Moreira Freire era neta, por via paterna, de Manuel Rufino de Sousa Moreira e de Maria Ferreira de Jesus, sendo seus avós maternos, Júlia de Oliveira Sales e Possidônio de Oliveira Wanderley, os quais se estabeleceram, por algum tempo, no município de São Braz, às margens do Rio Purus, ainda durante a febre da borracha.

          Sua mãe, Laura de Oliveira Moreira, era natural de Iguatu, e seu pai, o eletricista-mecânico Isaías Moreira, era filho da cidade de Senador Pompeu. Transferiram-se, em 1923, para Lavras da Mangabeira: ele, para ali instalar um Cine-Teatro, a convite do Coronel João Augusto, então prefeito da edilidade.

          E justamente ali, na margem esquerda do Salgado, nasceu a menina Neide, a 23 de maio de 1924, ano em que o Rio transbordou e destruiu parte da pequena urbe cearense, inclusive o Cine-Teatro instalado pelo seu genitor.

            Neide recebeu o sacramento do batismo na Igreja Matriz de sua terra natal, tendo por padrinhos, Alfredo Barreto e sua mulher, dona Maria Barreto, naturais de Iguatu. Sua madrinha de crisma foi dona Lica Barros, filha de Manuel de Barros, antigo Intendente daquele município.

           Passou a infância na rua mais ribeirinha e vulnerável à possessão das águas do Salgado            – a Xavier Ângelo, conhecida por Rua dos Cassacos. Lembrava-se, sempre com muita perfeição, de vultos da infância com os quais a sua família interagiu: José Rodrigues Paiva, Pedro Tavares Filgueiras, Rita Saburá e Joaquim Lobo de Macedo, avô, este último, de José Zito de Macedo, seu colega no Grupo Escolar daquela localidade.

         Recordava-se também que seu pai se empenhava, ao máximo, na manutenção dos engenhos de cana e usinas de algodão do município, capitaneadas por Mário Augusto de Oliveira (Mário Borrego), Emar Mattos Rolim e Eugênio Augusto de Almeida.

        Foram seus primeiros professores, ainda na terra de berço, João Augusto Banhos e José Luiz da Silva Ramos. Depois ela estudou no Grupo Escolar da velha Princesa do Salgado, então dirigido por Maria Luiza Lima e tendo como professoras Guiomar de Holanda Férrer, Neuza Ceará e Isa Gondim Santos.

        Realizado o curso primário, entre 1930 e 1935, fez em seguida os preparatórios para o exame de admissão, cursando o ginásio no Colégio Santa Teresa de Jesus da cidade do Crato (1936). Em Fortaleza concluiu o secundário (1937-1939) e o curso normal (1940-1941), diplomando-se Professora Normalista aos 08 de dezembro desse último ano.

          Fez curso de reciclagem para professores, em 1969, a cargo da Secretaria de Educação do Estado, e de Atualização em Literatura Infantil, na Academia Cearense de Letras. Em São Paulo, no Instituto Brasileiro de Estudos Sociais, realizou o Curso de Didática de 1º e 2º Graus (1973), e ali se bacharelou em Teologia, pela Faculdade Universal de Teologia de São Paulo, em 1986.

          Em 1942 iniciou-se no magistério público estadual na cidade de Ibiapina, lecionando nos anos de 1947/1948 no Patronato Dona Maria Luíza e na Escola Normal Rural da cidade de São Benedito, ambos dirigidos pelas Irmãs de Caridade.

          Em 1949, transferiu-se para Ubajara, onde dirigiu, durante 15 anos, a Escola de Ensino Fundamental Grijalva Costa. Aposentando-se do magistério (1973), assumiu, em 1981, a direção do Complexo Educacional Francisco de Oliveira Moura, pertencente ao DNOCS e instalado no perímetro irrigado Curu-Paraipaba.

          Escritora de fino trato para com o amanho das letras, Neide é autora dos livros: Acendalhas (Piracicaba/SP: Serviços Gráficos Degaspari, 1987) e Poemas e Lembranças (Fortaleza: RDS, 2008).

         Em Fortaleza, foi coordenadora da Revista Jangada, da Ala Feminina da Casa de Juvenal Galeno, instituição que presidiu no período de 13 de setembro de 1992 a 13 de setembro de 1996.

          Foi integrante da Associação de Jornalistas e Escritoras do Brasil (AJEB), da Academia Lavrense de Letras e da Academia Feminina de Letras do Ceará (esta última como sócia honorária), e sócia-correspondente da Academia Irajaense de Letras (RJ) e da Academia Literária Feminina do Rio Grande do Sul (RS).

         Participou de uma dezena de livros publicados no Ceará e em outros Estados e recebeu diversas medalhas e troféus. Em 2004, foi homenageada pela Assembleia Legislativa do Ceará, no Dia Internacional da Mulher, tendo falecido em Fortaleza aos 10 de maio de 2018.

           Este percurso biográfico distingue, para os seus leitores, a vida de uma escritora de talento, e encontra-se recolhido no meu livro Novos Lavrenses Ilustres (Fortaleza: Expressão Gráfica, 2016. Com ele, prestei as minhas honras a uma das mulheres mais dignas do Ceará e creio que fiz justiça à sua trajetória de poetisa, professora e educadora.

          Agora, sou convidado por Francisco Rodrigues Freire Filho para fazer a apresentação deste livro, Um Pouco Poesia / Um Pouco de Memória (Fortaleza, 2019), no qual ele reuniu os dispersos de Neide e juntou as suas letras pejadas de fina rigidez formal e de estética literária que chamam a atenção, fazendo, desta forma, uma grande homenagem à sua inesquecível mãe.

         O livro reúne um conjunto de escritos, publicados e inéditos, com os quais Neide Freire evoca as suas lembranças, expondo a sua mestria e abrindo seu coração para o Amor, a Esperança e a Fraternidade, valores que sempre difundiu entre os seus alunos e partilhou com os seus amigos e admiradores.

          A sua produção de poetisa acolhe, em suas linhas, os sentimentos da autora, mas o que trescala do seu texto poético, é a escansão melódica dos seus versos e o acento gramatical com que ela costura seus poemas.

          No campo da prosa, Neide também expõe o seu talento e mostra-nos o quanto é sutil o seu universo criativo, todo ele marcado pela serenidade, a humilde e pela devoção à arte literária e aos seus elementos de maior destaque.

         Cristina Couto, ao escrever a apresentação deste livro, destacou o seu papel de artesã da palavra ritmada e da palavra fundadora do belo, ficando-me de último a impressão de que aqui eu pago o meu tributo maior à sua memória.

                                                                                   Fortaleza, 13 de maio de 2019

Padre Antônio Tomás


           Dimas Macedo
                                                
                                                   
                                                                 
                                                                                                           Foto de Clauder Arcanjo


         Filho de Gil Tomás Lourenço e Francisca Laurinda da Frota, o Padre Antônio Tomás nasceu em Acaraú (CE), a 14 de setembro de 1868. Cursou latim e francês em Sobral e concluiu seus estudos no Seminário da Prainha, em Fortaleza, onde foi ordenado sacerdote, em 1891.

        Esteve longos anos a serviço da Igreja Católica, em paróquias do interior cearense, notadamente, como vigário de Trairi e de sua terra natal, levando vida modesta, dedicando-se à poesia e cuidando de sua vocação.

        Iniciou a publicação de seus sonetos em 1901, no Almanaque do Ceará. Seus poemas, com o tempo, se espalharam pela imprensa de todo o Brasil, a despeito da sua humildade e timidez, recebendo, ainda em vida, consagração popular.

         Em 1924, por motivo de saúde, afastou-se do múnus paroquial e, em 1925, em pleito realizado pela revista Ceará Ilustrado, foi eleito Príncipe dos Poetas Cearenses, posto no qual foi sucedido pelos poetas Cruz Filho, Jáder de Carvalho, Artur Eduardo Benevides e Linhares Filho.

         Seu nome figura entre os maiores sonetistas brasileiros, gênero a que mais se dedicou, escrevendo, também, composições de feição e ritmos variados, caracterizando-se por sua independência em relação a qualquer movimento ou escola literária.

         Foi integrante da Academia Cearense de Letras e do Instituto do Ceará, tendo falecido em Fortaleza, a 16 de julho de 1941. O seu sepultamento ocorreu na Igreja Matriz de Santana do Acaraú (CE), um dia após o seu falecimento, sem lápide ou registro do local onde foi enterrado.

         Também por manifestação de sua vontade, dispôs que os seus poemas jamais viessem a ser reunidos, o que não impediu que a sua sobrinha, Dinorá Tomás Ramos, viesse a recolher parte desse acervo na sua memorável pesquisa Padre Antônio Tomás – Príncipe dos Poetas Cearenses (Fortaleza: Tipografia Paulina, 1950).

          A segunda edição desse livro foi tirada pela Tipografia Aragão, em 1958, e, a terceira, pela gráfica do Jornal A Fortaleza, em 1981, o que prova a vitalidade da poesia do Padre Antônio Tomás, indiscutivelmente, um dos grandes poetas cearenses.

          A republicação desse precioso volume de Dona Dinorá Ramos, com prefácio de Linhares Filho e iniciativa de Manfredo Ramos, filho da autora, teólogo e sacerdote de renome, é acontecimento dos maiores nesta época em que perdemos os laços da memória.

         De forma generosa, pediu-me o Monsenhor Manfredo que eu redigisse este texto de apresentação, o que muito me honra e distingue. O Padre Antônio Tomás, com certeza, merece ser conhecido pelas novas gerações.

         É nome que devemos relembrar, em face, sobretudo, dos seus memoráveis sonetos, dentre os quais, destaco “O Palhaço”, “Contraste” e “A Morte do Jangadeiro”.
       
          A música que transborda da sua poesia e as lições de vida, altruísmo e resignação que dela podemos extrair fazem da obra desse grande poeta um momento singular na nossa literatura.

          Que seja feita, portanto, a reabilitação deste sonetista, venerado, em todo o Brasil, como um dos nossos poetas de maior relevo.

terça-feira, 28 de maio de 2019

Demócrito Rocha - A Liberdade Como Vocação

                                 
           Dimas Macedo


            O nome de Paulo Bonavides representa uma clarividência no que tange à interpretação do nosso comportamento social e político. Preocupado com a abordagem crítica da nossa realidade, esse jurista vem surpreendendo com a revelação de teses e estudos de reconhecido valor, em torno do Direito Constitucional e das questões atinentes à Teoria do Estado.

            Demócrito Rocha – Uma Vocação Para a Liberdade (Fortaleza: Fundação Demócrito Rocha, 3ª ed., 2009), de Paulo Bonavides, é bem uma amostra da permanente inspiração da sua inteligência, sem deixar de ser, igualmente, uma tentativa de assimilação do contexto político que cimentou, entre nós, as raízes do Estado Social.

           Nesse livro instigante do grande cientista político cearense, a figura destemida e ousada de Demócrito Rocha adquire, com certeza, a sua mais perfeita expressão.

           Expondo, inicialmente, a sua visão de hermeneuta acerca do discurso poético de Demócrito Rocha, Paulo Bonavides provoca o nosso sentimento, ao fazer estas afirmações: “os poetas às vezes são sensores sociais mais percucientes que os sociólogos e os cientistas do Estado. Possuem não raro uma sensibilidade intuitiva tão aguda que lhes consente condensar em algumas estrofes mais verdade e compreensão da vida que os doutores da sociedade em seus compêndios e tratados”.

            Mas o que efetivamente interessa extrair das páginas de Demócrito Rocha – Uma Vocação Para a Liberdade é a visão panorâmica que o autor oferece em torno da agitação e do caldo de cultura que fermentaram a década de 1930 no Ceará. Um momento rico de conflitos e tergiversações, de violências verbais inadmissíveis e de cenários opressivos e ameaçadores.

            Nessa ambiência, como assegura Paulo Bonavides, é que se forja a bravura que tempera o comportamento e as atitudes de Demócrito Rocha. É nesse contexto de turbulências que Demócrito Rocha desenvolve a sua vocação de jornalista e a sua ação parlamentar, combatendo a intolerância do integralismo e pugnando pela defesa dos interesses regionais.

          A paixão de ordem cultural, nesse livro de Paulo Bonavides, revela-se como em nenhum outro momento da produção teórica do autor. Constitucionalista e cientista político de renome, Bonavides iniciou a sua trajetória como jornalista, lutou pela afirmação da sua classe e é, no Ceará, um dos homens de maior destaque da sua geração.

          Estilista primoroso e arquiteto de uma refinada poética do ensaio, no início da sua militância, inclinou-se Paulo Bonavides à construção da crônica e do ensaio, e da reportagem internacional.

          Na década de 1950, enveredou pela Filosofia do Estado e, no período seguinte, consolidou o seu nome como pioneiro da Ciência Política no Brasil. O constitucionalista levantaria voos de agilidade e equilíbrio durante a década de 1970, fazendo-se ele, depois, o biógrafo que o Ceará agora reconhece.

          As marcas de Demócrito Rocha e a sua coragem estão na criação do jornal O Povo, em 1928, na atuação parlamentar que exerceu na década de 1930, na sua incontestável militância, no campo da ética e da dignidade, e no seu indiscutível talento de poeta.

         O seu poema "O Jaguaribe é Uma Artéria Aberta", feito de afogadilho para fechar um espaço no jornal que fundou e sempre dirigiu, é um dos momentos mais altos da poesia cearense e me parece um ato de redenção e de vigor ufanista de todo o Ceará.

         De tudo isso nos dá a sua versão Paulo Bonavides, mas a contextualização de Demócrito Rocha e o seu entorno social e político, é o que o autor de A Crise Política Brasileira (1969) deixa transparecer com as melhores tintas, mostrando-nos, à saciedade, o domínio da sua vocação de escritor.

          Autor de Universidades da América (1948), O Tempo e os Homens (1952), Dos Fins do Estado (1955), Do Estado Liberal ao Estado Social (1958), Teoria do Estado (1967), Ciência Política (1967), A Crise Política Brasileira (1969), Reflexões: Política e Direito (1973), Textos Políticos da História do Brasil (1975), Direito Constitucional (1980), Política e Constituição (1985) e Constituinte e Constituição (1986) – livros que inovaram, entre nós, a metodologia e o conteúdo desses importantes campos de pesquisa –, Paulo Bonavides tinha tudo para ser, de fato e por legitimidade, o biógrafo de Demócrito Rocha e o guardião da sua memória cultural.

           Mas o que importa destacar, acerca do escorço biográfico de Demócrito Rocha, é a continuidade de duas tradições: a do pensamento e do esforço teórico de Paulo Bonavides; e a do exemplo de Demócrito Rocha como jornalista e cidadão.

            Dessa forma, me parece memorável a contribuição de Paulo Bonavides no sentido da documentação da sua atribulada existência de homem público e de agitador de progressistas ideias culturais, especialmente, porque o poeta, nessa biografia, ombreia-se com o homem, e o jornalista, não se faz menor que o político.

sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Edições Poetaria

        Dimas Macedo                                     


Edições Poetaria

Editores
Dimas Macedo
Geraldo Jesuino

Conselho Editorial
Giselda Medeiros
Aila Sampaio
Sânzio de Azevedo
Batista de Lima
Rodrigo Marques

Títulos publicados

1 ▪ Dicas Para um Jovem Poeta (1998)
       Pedro Henrique Saraiva Leão
2 ▪ Trajetória (2000)
       Pio Rodrigues
3 ▪ Po&sia Concret@ no Ceará (2001)
       Pedro Henrique Saraiva Leão
4 ▪ As Plumas de João Cabral (2002)
       Pedro Henrique Saraiva Leão
5 ▪ Joaquim de Sousa: O Byron da Canalha ou O Castro Alves Cearense (2003)
       Sânzio de Azevedo
6 ▪ A Metáfora do Sol, ed. (2003)
       Dimas Macedo
7 ▪ Circunstânsias (2003)
       Pedro Henrique Saraiva Leão
8 ▪ Primeiros Poemas, 2ª ed. (2003)
       Dimas Macedo
9 ▪ Algumas Palavras, 2ª ed. (2003)
       Dimas Macedo
10 ▪ Poesias, 2ª ed. (2004)
       Barbosa de Freitas
11 ▪ Bibliografia - Roteiro para Pesquisadores (2004)
       Dimas Macedo
              12 ▪ Recordel (2004)
       Virgílio Maia
13 ▪ Estrela, Vida Minha (2004)
       Inez Figueiredo
14 ▪ O Tatuador de Palavras (2006)
       Fernando Siqueira Pinheiro
15 ▪ Sintaxe do Desejo (2006)
Dimas Macedo
16 ▪ Poemamassado (2006)
       Pedro Henrique Saraiva Leão
17 ▪ Transpondo os Umbrais da Academia (2007)
       Noemi Eliza/ César Barros Leal
18 ▪ Longa é a Noite (2007)
       João Clímaco Bezerra
19 ▪ Oblívio da Ilusão (2007)
       Eduardo Pragmácio Filho
20 ▪ Escritura do Tempo no Conto de Samuel Rawet (2007)
       Vládia Mourão
21 ▪ Tempero (2007)
       Amélia Rocha
22 ▪ Bissextos (2007)
       Luiz Teixeira Neto
23 ▪ Crítica e Literatura (2008)
       Dimas Macedo
24 ▪ As Areias Ardentes do Rio (2008)
       André Lopez
25 ▪ Os Cantos do Luar (2008)
       Rosa Firmo Bezerra
26 ▪ A Expressão Musical e o Direito (2009)
       Diego Nogueira Macedo
27 ▪ O Rumor e a Concha (2009)
       Dimas Macedo
28 ▪ Cinema, A Lâmina que Corta (2010)
       Walter Filho
29 ▪ Poemas Populares (2010)
       José Edimar de Macedo
30 ▪ As Cidades de Chico Buarque (2010)
       Cristina de Almeida Couto
31 ▪ Lavoura Úmida, 3ª ed. (2010)
       Dimas Macedo
32 ▪ Trovas e Poemas (2011)
       Zito Lobo
33 ▪ Literatura Lavrense - Notas para sua História (2011)
       Dimas Macedo
34 ▪ Palavras por Aí, à Ventura (2011)
       Inez Figueredo
35 ▪ Pesquisas de Direito Público (2011)
       Dimas Macedo
36 ▪ A Face do Enigma (2012)
       Dimas Macedo
37 ▪ {Guadalupe} (2012)
       Dimas Macedo
38 ▪ A Voz do Boqueirão (2013)
       Dimas Macedo
39 ▪ Dicionário de Sacerdotes Lavrenses (2013)
       Dimas Macedo
40 ▪ Uma Biografia do Coração (2014)
       José Telles
41 ▪ Caderno de Loucuras (2015)
       Joaryvar Macedo
42 ▪ Liturgia do Caos, 2ª ed. (2016)
       Dimas Macedo
43 ▪ Diálogos Brasileiros (2018)
       André Lopez
44▪ {Codocirio} (2018)
       Dimas Macedo
45 ▪ Oratório de Santa Luzia (2018)

       Rodrigo Marques