quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Ossos do Ofício


                  Dimas Macedo







 O impacto que os exercícios de leitura provocam em nossa sensibilidade autoriza-nos a que do desenho do texto possamos extrair as nossas ilações, quando não captar manchas ou sentidos, que se incorporam aos subterrâneos do nosso imaginário, motivando-nos a que do prazer, da utilidade ou das possibilidades do texto venhamos a minutar reflexões acerca da linguagem que nos foi possível apreciar.

  No meu livro Ossos do Ofício (Fortaleza, Editora Oficina, 1992) reuni um conjunto de escritos, produzidos em diferentes oportunidades e respigados em jornais e revistas fortalezenses e de outras regiões do País. São textos que não fogem ao destino de se refletirem como anotações momentâneas, redigidas à margem de algumas leituras, porém despidas do rigor científico que a metodologia da crítica está a exigir.

   A paixão pela descoberta do texto expressa como que o estímulo que me levou à organização dessa coletânea, a qual já antevia a possibilidade de ser acompanhada por outros exercícios de leitura da mesma natureza, da mesma forma que a esse livro precederam: Leitura e Conjuntura (1984) e A Metáfora do Sol (1989), os quais, juntamente com – Ossos do Ofício (1992) –, compõem a primeira trilogia de crítica literária levada a efeito pelo autor.

    Ossos do Ofício, a seu turno, configura um inventário de textos literários despido, com certeza, de qualquer pretensão. As recensões, quase todas, publicadas entre 1984 e 1988, eu as recolhi, na sua maioria, da coluna que mantive nas páginas do Jornal do Dorian, sob a editoração lúcida e destemida de Dorian Sampaio e Blanchard Girão, a quem dedico os escritos que reuni, buscando com isso registrar a minha mais sincera admiração.

De último, esclareço que a publicação desse livro não se encontrava cogitada em qualquer projeto literário do autor. Justificou-se talvez pelo fato de ter sido 1990 o ano em que o autor aspirou a um balanço da sua produção, com vistas a uma pausa no seu processo de editoração.






Um comentário: