domingo, 13 de abril de 2014

Fortaleza

                                               Dimas Macedo


                                          
                                       

Fortaleza de noite:

eis todo um argumento

para viver a vida

plena de sentimento.

 

Deslizo pelas ruas

sorvendo antiga brisa.

No rio do asfalto

a noite se eterniza.

 

Fortaleza tem corpo

e atração fatal

que sangra nossos olhos

com lâmina de punhal.

 

Sou todo fortaleza,

penumbra e nostalgia.

Existo enquanto sonho

sua geografia.

 

Em noites de insônia

Fortaleza é assim:

é casa do espírito,

é princípio e é fim.

         
                                                         (Poema extraído do livro – Liturgia

                                                         do Caos. Brasília: Editora Códice, 1996)

4 comentários:

  1. Professor, o poema fez jus a grandiosidade de nossa cidade.

    Cordialmente,

    Lara Dourado Pereira

    ResponderExcluir
  2. A beleza de Fortaleza é possível de se ver quando observada pelo olhar da nostalgia!
    Belo poema!

    Gilberto Conrado.

    ResponderExcluir
  3. Professor, este monumental ode a capital estadual reflete em toda sua magnificência o que a estátua de Iracema, a bela índia dos lábios de mel, guarda com afinco e dedicação. Parabéns pelo interessantíssimo blog! Nasla Gomes, constitucional II (manhã)

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo professor! Outro poema de extrema sensibilidade, parabéns!

    Isabelle de Sena, sua aluna.

    ResponderExcluir