terça-feira, 21 de janeiro de 2014

Adriano Espínola


                         Dimas Macedo



                                        A Palavra e a palavra

                                       São os ossos do seu ofício

                                       Seu discurso é um artifício

                                       Mais belo que as aquarelas

                                       Para cantar as favelas

                                       Adriano faz modismo

                                       Patente é o seu vanguardismo

                                       Quando utiliza o repente

                                       É mesmo um irreverente

                                       Mágico do pós-modernismo

Um comentário:

  1. A Palavra e a palavra - lembra o grande Horácio Dídimo também, Dimas! Forte abraço.

    ResponderExcluir