sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Direito e Literatura


                Dimas Macedo

                                           
 
               O meu livro – Direito e Literatura (Fortaleza: Expressão Gráfica, 2014) – reúne um conjunto de setenta e sete artigos, publicados no portal Direitoce e na revista Gente de Ação, órgãos com os quais colaboro de forma regular.

               Os ensaios versam sobre Sociologia, Política e Filosofia do Direito e abordam a trajetória de artistas, cientistas e pensadores da linguagem e da sociedade.

              Todos foram submetidos a uma revisão gramatical e morfológica, objetivando-se, com isso, a sua recepção, mas respeitando-se em tudo a sua estrutura e o seu tecido literário.

              Quanto ao conteúdo dos textos, permaneci fiel aos elementos da crítica dialética e da teoria material, eixos mediante os quais a minha obra jurídica se sustenta.

              Discorri sobre assuntos como Corrupção e Reforma Política, Sociologia do Direito, Processo e Constituição, Cidadania e Participação, Democracia & Socialismo e Acesso à Justiça Social.

              No campo da Literatura, a crônica e o memorialismo assumiram o lugar do desejo e da reparação, isto é, deixei-me conduzir pelos afetos e pelos sentimentos emocionais.

              Fiz incursões pela obra de Moreira Campos e Luiz Gonzaga, pela poesia de Hermínia Lima e pela escansão musical de Diego Macedo, pagando tributo, também, à poesia de Vicente Lemos, Ubiratan Aguiar e Wellington Alves.

              O meu olhar sobre a arte de Mano Alencar e Cláudio César é outro ponto que aqui quero destacar, ao lado de duas abordagens pertinentes à história regional.

              O livro constitui um mosaico de assuntos que giram ao redor das minhas inquietações e reticências, e ao redor da minha sede de formas e de pesquisa transdisciplinar.

              Não se trata, propriamente, de uma reunião de artigos, mas de uma seleção de textos destinada à exigência dos leitores, na qual o ponto de partida é a luz, isto é, a claridade do meu universo social.

               Quem vier a se deter neste livro, conduzido pela emoção, nele encontrará uma espécie de testamento lírico da minha visão de ensaísta e de filósofo da cena social.

                A senilidade, no meu caso, ainda não chegou, mas a maturidade, sim. Sei que não mais preciso viver preocupado com a teoria, mas com as minhas formas e obsessões, e com a minha estética de ordem textual.

               A dois amigos devo o desafio de escrever estes ensaios, e de acreditar que estou sendo lido por um universo muito maior, aquele que é conquistado mediante revistas e sites que a internet interpõe diante de nós.

               Dideus Sales foi o editor que primeiro me convidou para a experiência de redigir um texto a cada mês; e Sabino Henrique foi aquele que chegou depois e me desafiou a preparar um texto semanal.

               A eles, devo o incentivo de continuar escrevendo de forma regular, à margem da minha vocação maior de criador, obsessivamente entregue à minha solidão e aos meus silêncios pontuais.

2 comentários:

  1. Parabéns pela publicação de seu novo livro Direito e Literatura, professor. Um livro que trata de um gama de conteúdos, perpassando por assuntos dos mais vastos ramos do conhecimento, como Sociologia, Política e Filosofia do Direito, permitindo-nos uma reflexão crítica da realidade social.

    ResponderExcluir
  2. Esse livro claramente tratá grande enriquecimento para quem o lê. Essa obra, que se trata não de uma reunião de artigos, mas de uma seleção de textos destinada à exigência dos leitores. Achei de suma importância os assuntos abordados, tendo em vista a atualidade e necessidade de discussão dos mesmos para a formação de uma sociedade consciente. Professor, parabéns pela brilhante obra!!

    ResponderExcluir