sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Poesias Contra os Profetas e Profecias da Chuva

                                             
                  Lobo Manso
 
                    
            Antônio Lobo de Macedo
                    (Lobo Manso)

 

Não acredito em profeta

Nem que seja o João Ferreira

Que o homem que escreve asneira

Tem que passar por pateta

Eu rimo e não sou poeta

Pois ciência não me cabe

Acho bom que não se gabe

Profeta de Pernambuco

Ou moço velho é maluco

Escrevendo o que não sabe

 

Não dou crença a profecia

Nem as do Manoel Luís

Profeta como se diz

Escreve sem garantia

É somente uma mania

De adquirir o tostão

Ele é um tolaião

Disse que em cinquenta e setembro

Feijão secava o canivete

E milho morria em pendão

 

 Joaquim Roque de Macedo

Profeta de Fortaleza

Perdeu a sua nobreza

Digo e não peço segredo

Sou homem de pouco medo

Esse profeta é afoito

Escreveu em cinquenta e oito

Que era inverno abundante

Foi quase seca assolante

Profeta marca biscoito

 

 Em Lavras da Mangabeira

                          O profeta Zé Saraiva

Escreveu pra fazer raiva

Em toda esta ribeira

Passou no povo leseira

Disse que o mês de abril

Ia ser de chuvas mil

No ano cinquenta e nove

No mundo tudo Deus move

A chuva passou em funil

 

 Fica o homem diferente

Profetizando o futuro

Amanhã tudo é escuro

Não fica o papel decente

O Deus grande onipotente

Muda tudo em uma hora

Ele em seu reino de glória

É bastante em seu pensamento

Acaba o mundo em um momento

Profeta não tem vitória

 

 Aqui neste Ceará

Experiência não voga

Todo profeta se afoga

Marca chuva e não vem cá

Deixei de acreditar

Na barra da Conceição

E na de São Sebastião

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem relâmpago nem trovão

 

 Nem torreame no norte

Nem relâmpago no nascente

                          Nem a barra do poente

Tudo isso não dá sorte

Nem parado o vento forte

Nem mancha do sul fugida

Nem lua nova pendida

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Toda ciência é perdida

 

 De manhã canta o jacu

À tarde a rã rapa e cuia

O sapinho canta aleluia

Gargareja o cururu

Canta e apita o inambu

E o tempo abafado e quente

Geme o trovão no nascente

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Não há homem experiente

 
 
                             Nem mesmo o xexéu cantando

Nem cupim criando asa

Nem aranha fechar casa

Nem o pau-d’arco florando

Nem todo padre rezando

Os que existem no mapa

Nem Bom Jesus da Lapa

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem mesmo as preces do Papa

 
 
Nem o imbuá trepando

Nem formiga se assanhando

Nem seriema cantando

Nem o peixe bem ovado

Nem buriti carregado

Nem reza de inocente

Nem dia frio e nem quente

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem dia de São Vicente

 
 
                            Nem dia de Santa Luzia

Nem milho de cobra espigado

Nem cumaru carregado

Nem as grandes profecias

Dos profetas de hoje em dia

Que vêm sempre se enganando

Nem mandacaru florando

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem os três-potes cantando

 

Nem dia de São José

Nem peitica assoviando

Nem sabiá gorjeando

Nada disso eu tenho fé

Regula é se Deus quiser

Nem os anuns enxurrando

Nem capuxu se mudando

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem mesmo o carão cantando

 

 Nem todo dia nublado

Nem as águas aumentando

Nem o zebelê cantando

Nem o sal ficar molhado

Nem o animal suado

Nem poldro escaramuçando

Nem galinha se espojando

Nada disso faz chover

Depois de Deus não querer

Nem o burro velho rinchando

 

Nem barra de Nascimento

Nem dia de Ano Novo

Tudo isso é um engano

Quem traz a chuva é o vento

E Deus manda num momento

Vê-se num grande verão

Noite clara e sem trovão

E é bastante deus querer

Se enuvoa e faz chover

Amanhece a inundação

 

 Pra cair chuva no chão

Não existe experiência

È só a grande ciência

Do autor da criação

Vê-se num grande verão

Todo o legume arrasado

O povo desenganado

E é bastante ele querer

Com meia hora se vê

Todo o terreno alagado

 

Nem cantando o lagartão

Nem o besouro serrar o pau

Nem gritando o bacurau

Nem voando o corujão

Nem besourinhos furar chão

Nem mata-pasto florando

Nem o caboré cantando

É bastante Deus querer

Nada empata de chover

Nem tanajura voando

 

 Nem sete-estrelo atrasado

Nem a d’Alva no nascente

Nem sempre limpo ao poente

Nem o carreiro manchado

Nem o céu bem estrelado

Nem andorinhas gritando

É bastante Deus querer

Nada empata de chover

Nem mesmo acauã cantando

 
 
Não há sábio que conheça

O que Deus tem pra fazer

E não deve se meter

Porque perturba a cabeça

Nem que suba nem que desça

Nem que seja mais além

O dia em que a chuva vem

Não devemos escrever

Que não podemos saber

Nem eu nem tu nem ninguém

 

 Desculpem caros leitores

Se a obra estiver mal feita

Quem pode fazer perfeita

São os grandes professores

E os bons compositores

Mas não um homem atrasado

Quem não é gramaticado

Tendo a veia de poeta

Não faz a obra completa

Escrevendo tudo errado

 

Eu mesmo posso dizer

Que não sou de nova seita

Não faço a obra perfeita

Porque não sei escrever

Quem souber pode fazer

Não conheço ponto agudo

Neste sentido eu sou mudo

Sou como um sapo peado

Nas letras sou atrasado

Porque não tive estudo

 

 Precisa muita instrução

Um homem pra ser poeta

Fazer a obra completa

Polida com perfeição

Com toda a pontuação

Fazer a rima direita

A poesia bem feita

Precisa estar no toante

Faltando o consoante

Torna-se a obra mal feita

 

Toante é o som que entoa

Como bem esse casquete

Arrebento no cacete

Depois faço uma canoa

Este é o som que reboa

Por vão de serra ou quebrada

Como bomba disparada

Consoante é já e có

Rimando com cá e có

A obra fica tarada

 

Ou seja padre ou doutor

De medicina ou bacharel

Pode possuir o anel

Que tenha todo o valor

Seja o melhor professor

Seja um engenheiro formado

Seja um dentista afamado

Não tendo a veia de poeta

Não faz a obra completa

Este é serviço pesado.

3 comentários:

  1. Caro Dimas Macedo, o Poeta "Lobo Manso" - nessa ocasião deixou de lado a mansidão, ficou brabo mesmo e iniciou a desancar os profetas de meia-tigela, não escapando até Joaquim Roque de MACEDO, apesar do sobrenome familiar. João Ferreira, Manoel Luis e Zé Saraiva não devem ter gostado dessas vinte e três décimas bem metrificadas que os invectivavam, pondo em xeque suas profecias-de-inverno, baseadas, talvez (?) no LUNÁRIO PERPETUO, que era uma espécie de calendário sertanejo que orientava sobre plantações e previsões.

    ResponderExcluir
  2. RABISCOS EM HOMENAGEM AO MEU AVÔ ANTONIO LÔBO DE MACÊDO (POETA LÔBO MANSO)
    CARLINHOS GOMES

    O POETA LÔBO MANSO
    DE QUEM EU SOU DESCENDENTE
    E POR ISSO SOU CONTENTE
    SEMPRE DIGO E NÃO ME CANSO
    ERA HOMEM SEM BALANÇO
    DE POSIÇÃO DEFINIDA
    POIS EM TODA SUA VIDA
    NÃO PLANTOU ÓDIO OU RANCOR
    ESCREVIA COM AMOR
    POESIA GARANTIDA

    SEI QUE ERA HOMEM DE BEM
    DE RESPEITO E AMIZADE
    COM SUA SIMPLICIDADE
    NUNCA FEZ MAL A NINGUÉM
    DO TRABALHO FOI REFÉM
    NO VERSO FOI GENIAL
    FOI UM HOMEM SEM IGUAL
    COMPLETO COMO SE DIZ
    SEU TRAJETO FOI FELIZ
    PARA NÓS FUNDAMENTAL

    NO VALE DO CALABAÇO
    SEMEOU SUA BONDADE
    COM MUITA PROSPERIDADE
    NUNCA DEIXOU EMBARAÇO
    A DECÊNCIA FOI SEU TRAÇO
    E UM AMOR FAMILIAR
    MINHA MÃE PRA CONFIRMAR
    A TERNURA E O CARINHO
    NO COLO FAZIA NINHO
    PARA OS FILHOS BAJULAR

    SUA CONDUTA FOI RETA
    NA POLITICA TEVE AÇÃO
    DEIXOU A DEMONSTRAÇÃO
    DE UMA POSIÇÃO CERTA
    DEIXOU HERANÇA CORRETA
    DE CARÁTER E HOMBRIDADE
    COM SUA SERENIDADE
    SEM TEMOR OU COVARDIA
    BONDADE POR GARANTIA
    SÓ DEIXOU FELICIDADE

    ResponderExcluir