terça-feira, 8 de outubro de 2013

Entrevista a Lêda Maria


           Dimas Macedo





           Dimas Macedo é poeta, procurador do Estado, professor e estudioso da literatura. Mas o título que ele realmente quer ver sempre estampado é o de poeta. Assim, as revelações aqui encontradas giram em torno de quem traduz com palavras os sentimentos do mundo.

Quem é você?
Um Ser decididamente feliz, sempre de bem com a vida, em todos os instantes.

Um sertanejo arretado e iluminado?
Orgulho-me de ser um cearense de Lavras da Mangabeira e de ter crescido às margens do Rio Salgado, fonte permanente da minha criação literária.

Quem é Deus?
O princípio de tudo e para onde tudo converge. Sou um homem de fé inabalável.

O que é o amor?
A maior de todas as virtudes e o significado de todos os triunfos do homem, no plano pessoal e coletivo.

E a mulher?
 É a criação mais misteriosa e eterna que Deus podia ter inventado, mas minha mulher, Lúcia Cidrão, eu a coloco num plano especial.

O melhor alimento?
O corpo da mulher amada.

 Um pecado?
A preguiça.

Um delírio?
A construção de um poema.

O maior defeito do homem?
A covardia.

E o machismo cearense?
Só atrapalha a ternura de poder acompanhar a beleza e a sinceridade da mulher cearense.

Como se fez poeta?
Ouvindo a revelação dos dons que Deus me confiou. Estudando pacientemente. Conscientizando-me de que sou apenas um poeta em formação, entre os muitos que conheço.

O que é ser seu amigo?
É estar comigo no meu coração e respeitar o meu jeito de ser, de decidir e de tomar partido. É reconhecer que eu sou livre.

Lugares inesquecíveis?
Aqueles que eu conheci e desfrutei, ao lado de minha mulher, Lúcia, e aqueles em que posso estar ao lado de meus filhos.

Um santo protetor?
São Vicente Ferrer, padroeiro de Lavras da Mangabeira, cultuado por muitos, na minha cidade natal.

                                                                                                      Diário do Nordeste, 10.05.2009

Nenhum comentário:

Postar um comentário