domingo, 2 de setembro de 2012

A Brisa do Tejo

                                           

           Tejo
                         Dimas Macedo

 
                 Brisa do Tejo soprando,

                 cosendo meus rios d’ouro;

                 Brisa do Tejo o tesouro    

                 dos meus olhos de cigano.

 
                 Brisa do Tejo o galope

                 dos meus cavalos da infância.

                 Brisa do Tejo a fragrância

                 dos meus moinhos de vento.

 
                 Brisa do Tejo os meus dedos

                 nas rosas de teus mamilos.

                 E os teus cavalos selvagens

                 e o aroma de teus beijos.

 
                 Brisa do Tejo o desejo

                 de desejar os teus braços,

                 pousando os meus olhos baços

                 na copa de teus cabelos.

                               
                                        Poema extraído do livro

                                        {Guadalupe}: Fortaleza, Edições Poetaria, 2012.

2 comentários:

  1. Que lindo, poeta querido!!!

    beijo, Aíla

    ResponderExcluir
  2. Santo Dimas, curtindo os ares de Alfama, a beira do Tejo, sobre a brisa que inspirou seus ancestrais poetas como Pessoa nas vestes de Alberto Caeiro, Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Bernardo soares. O poeta Chiado e outros de tempos remotos como Camões e Bocage. Essa é uma singular atmosfera poética que nós mortais comuns não temos o privilégio de senti-la. Isso é permitido apenas aos santos.

    ResponderExcluir