sábado, 2 de abril de 2016

Dublin - Para Edmilson Caminha



Dimas Macedo

 
                                                           Escritor Edmilson Caminha, 

                                                                                               leitor de James Joyce

           
                  Dublinenses, histórias de Edmilson,
                                 que veio a Dublin Com a Mala da Cabeça,
                                lendo Contos de Odessa, como se fosse Joyce,
                                e tendo Oscar Wilde em sua mesa.

                                 Ai que nobreza, Dublin, ai que nobreza!
                                Ai que nobreza, como se fosse Rosa,
                                qual uma prosa de amor tua beleza!

                                A face acesa de Joyce, de Yeats a face acesa!
                                 Dublincidade, a concha que guardei
                                com toda a liberdade dos seus ritos.

                                Dublincidade de sois de arco-iris,
                                se me traíres, cidade, eu morrerei
                                 e então serei a letra de Swift.

                                             Dublin, 8/2/2016

                                                  PS – No terceiro verso, refiro-me
                                                  ao livro de Isaac Bábel, que me
                                                  acompanhava até o momento
                                                  em que foi trocado por este poema.

Nenhum comentário:

Postar um comentário